English * Español

Conserto de Computadores * Produtos * Serviços * Segurança * Links * Oportunidade$ * Paz * Saúde * ReceiTANIOS * Livros online * Seu Sangue, Seu Destino


SOMOS A FAVOR DA PAZ NO ORIENTE MÉDIO E NO MUNDO TODO.

NÃO SOMOS CONTRA ISRAEL. SOMOS A FAVOR DA PALESTINA.

E VOCÊ?

A "Guerra Suja"

ISRAEL: MAIOR HIPÓCRITA DO MUNDO!

A "Transferência Compulsória" palestina nos anos 40

ISRAEL: THE GLOBAL HYPOCRITE

A verdade histórica sobre Israel X Palestina

Manifesto em Defesa da Convivência Internacional Pacífica

ALBUQUERQUE JOURNAL.......PRINT SUCCESS!!! BRAVO

Não ao Acordo entre Israel e o Mercosul

All Aboard the Mavi Marmara

Nazi-Sionismo

Apartheid

NAZIsrael

Bancarrota dos Estados Unidos?

NO ONE WAS SAFE: UN INQUIRY INTO ISRAEL’S FLOTILLA RAID

BOICOTE AO REGIME DE APARTHEID

Notable Lebanese People

Blog Anti-Sionista

Obama duas-caras

Blog do Bourdoukan

Ontem e Hoje

Blog do Jean Habib

ONU condena sionismo como "uma forma de racismo"

Carta ao Presidente do Brasil

ONU é Injusta

Carta de Michael Moore ao povo dos EUA

Para entender o conflito no Oriente Médio

Chega de mentiras!

Pelosi, Biden and Cluster Bombs

Closed Zone

Personalidades Notáveis Libanesas

Contra o Apartheid Israelense

PIRATARIA ISRAELENSE!

Cumplicidade Global

Pós-guerra sem fim

Em nome da paz...

RAP da Paz

Fahrenheit 9/11

Roadblocks to Peace

Failing to Hold Israel Accountable for War Crimes in Lebanon

Sexta Semana Anual Internacional Contra o Apartheid Israelense 2010

Faixa de Gaza

Slaughter at Sea

Free Gaza!

Tenho Henry Ford como minha inspiração - Adolf Hitler

Free Gaza's investigation has shown the following...

The Three Nos of Jerusalem

Galeria da FIRE de Libaneses Famosos no Mundo

THEY DARE NOT SPEAK ITS NAME ... ROTHSCHILD ZIONISM

Gaza Livre!

Tolerar o Intolerável é tornar-se Cúmplice

Henry Ford e os Protocolos dos Sábios de Sião

UN Promises Delivery of Freedom Flotilla Cargo to Gaza

Hitler teve ajuda - DE JUDEUS!

Zona Fechada

HUMOR?


Watch Susan Abulhawa thrash Alan Dershowitz at the Boston Book Festival.

You can skip past the first 5 mins to save yourself from Alan D's commentary.
Alan Dershowitz keeps getting angrier to the point he asks someone from the audience to shutup as and points a finger at Susan calling her "this woman..."
http://parrishmag.net/a/Abulhawa-Dershowitz.html

Please add your comments to the event's facebook page (join the page if you have not already):
http://www.facebook.com/?ref=logo#!/pages/Mornings-in-Jenin/110012312358564

watch the YouTube versions as it seems many people could not view the video from the website:
part 1: http://www.youtube.com/watch?v=q2lOOb80hsM

part 2: http://www.youtube.com/watch?v=QKHRnKOxenY

part 3: http://www.youtube.com/watch?v=l58IEKJQeRk

Amazing to watch Dershowitz lose his cool and the plot as the event progresses, pointing his finger at Susan Abulhawa, calling her names (part 2) and finally asking the audience to shutup (part 3).

Voltar ao início desta página


THEY DARE NOT SPEAK ITS NAME ... ROTHSCHILD ZIONISM

But to understand the financial crisis, 9/11 and so much more, it must be spoken constantly.

The David Icke Newsletter this Sunday is a major six thousand word exposure of the extent of Rothschild Zionist control of Big Government, Big Banking, Big Media, etc. and its fundamental role in the atrocities of 9/11.

I laid out in simple terms last week the agenda behind the unfolding global financial crisis and today I will expose the coordinating force, or at least a prime one, behind that agenda. Most conspiracy researchers either don't realise the fundamental significance of this network or are too frightened to say so if they do. Sod that.

It is widely known as Zionism or, as I call it, more accurately, I suggest … Rothschild Zionism. I add the 'Rothschild' to constantly emphasise the true creators of Zionism and its controllers to this day ...

... They have sought to sell the 'Zionism-means-all-Jewish-people' lie so they can condemn as 'anti-Semites' and 'racists' anyone who exposes the truth about Rothschild Zionism and its agents in government, banking, business, media, military, etc.

This is why most researchers won't go there even if they are aware enough to know that they shouldreally goes beyond five-sense reality. go there. To uncover and expose what is happening in the world we need all the 'bees' - brain, backbone, balls - and never more so than now. Oh yeah, and add consciousness if you want to see how deep the rabbit hole

Racism is the ultimate ignorance in that it relates 'self' to the body instead of the Consciousness - Awareness - animating and experiencing through the body. It is like judging a man by his spacesuit instead of the person inside it.

So racism is ridiculous, juvenile and silly, but no way is the threat of being branded as one (they have already tried and failed) going to stop me exposing what must be exposed if the Control System is to fall.

The world's most extreme racists are, after all, the Rothschild Zionists, anyway. Israel is an apartheid state every bit as much as were apartheid South Africa and apartheid America.

Voltar ao início desta página


Free Gaza's investigation has shown the following...

Regarding the attack on the flotilla, below is what we have found out. In addition, we are providing a link to the attack on the Irene from the 'most moral army in the world.' http://www.youtube.com/watch?v=hphSiBrnBYw

Please distribute to your lists and, if in the US, write to your representatives asking them why we Americans support murder on the high seas.

Greta Berlin

  • The military units are "Shayetet 13" (the navy commando unit).

  • The helicopters that were used to drop them on the ship (according to the media and to the army spokesperson as well) are from The IAF's Black Hawk squadron. All the helicopters of the IAF, including the Black Hawk squadron, were given to Israel as part of the US military aid.

  • The new black hawks given to Israel in 2002 (of the Lima model) are most likely the ones that were used in the attack on the Maramara.

  • Almost all of the weapons used by the IDF are US made, and it is 100% clear that some was used to kill the passengers on the Mavi Marmara.

Voltar ao início desta página


23 September 2011

No one was safe,’ once Israeli soldiers began using live ammunition on board the Mavi Marmara, says an authoritative UN investigation team into the Israeli attacks on the Gaza aid flotilla. Their report is now going to be considered by the 57- member UN Human Rights Council next week that has the chance to finally ensure that Israel is held accountable for committing what the UNFFM found to be serious violations of human rights and humanitarian law including war crimes of wilful killing and torture. The UNFFM found that Israeli military personnel used ‘incredible violence’ against civilians who the investigators describe as ‘persons genuinely committed to the spirit of humanitarianism’.

ENFORCEMENT IS ESSENTIAL - OTHERWISE ISRAEL WILL CONTINUE TO VIOLATE HUMAN RIGHTS WITH IMPUNITY

The British passengers who were on board the Gaza-bound aid flotilla have today welcomed the findings of a UN inquiry, which found a strong prima facie case of the commission of several war crimes.

British passengers urge the UK government and Human Rights Council members to refer these war crimes allegations to the International Criminal Court.

The experts interviewed 112 witnesses in addition to receiving written representations by lawyers.[1] “All the passengers on board the ships comprising the flotilla who appeared before the Mission impressed the members as persons genuinely committed to the spirit of humanitarianism and imbued with a deep and genuine concern for the welfare of the inhabitants of Gaza,” the report found. The humanitarian crisis in Gaza is unlawful, stated the report, as is the blockade and as was the interception of the flotilla. These findings underscore the legal arguments put forward by lawyers who have been working with the passengers since 31st May and who played a critical role in supporting the work of the UNFFM, supported in part by the Human Rights Legal Aid Fund. The Mission recommends that the perpetrators of the attacks should be brought to justice. The Mission has indicated that these breaches of the Fourth Geneva Convention could give rise to individual criminal responsibility. British passenger Laura Stuart a 51 year old housewife from London responded by saying, Let's hope this report can have some effect that might make Israelis think that they may in future be held accountable for their actions. Daniel Machover, partner at London law firm Hickman and Rose, advising 29 of the 33 British passengers, said: “It is essential that the British Government now stops sitting on the fence and comes out very clearly in support of the protection and enforcement of human rights, including of their own nationals, several of whom were subject to some serious human rights violations and war crimes. That means the Government must refer the war crimes cases to the ICC without delay and must demand in clear terms that the Israeli authorities return every single item of property unlawfully seized from the British passengers, failing which the Government will take diplomatic measures and provide state funding for the passengers to bring civil and criminal claims in Israel.” Mary Nazzal-Batayneh, Chairperson of the Human Rights Legal Aid Fund said, “This is a huge first step, however, we all still have a lot of work to do to make sure that these cases are pursued in court, securing genuine sanctions for the perpetrators and civil and criminal remedies for the survivors. As we all know, Israel has ignored UN criticism in the past and will continue to do so unless we take action to hold them genuinely to account. The nature of the attacks on the flotilla, against international passengers, creates unique legal opportunities to do so.” The passengers and the Human Rights Legal Aid Fund have launched a fundraising campaign in order to ensure that cases are launched to to make the UN’s findings enforceable in international courts.

For more information please contact:

Rifat Audeh, HRLAF, flotilla passenger (Amman) Tel: + 962 (0)7888 28 344

Rochelle Harris, HRLAF (London) Tel: +44(0)7785 116672, Rochelle@humanrightsfund.org

Daniel Machover, Hickman And Rose, Mobile: +44 (0) 7773 3410 96, DMachover@hickmanandrose.co.uk

Selma Dabbagh, Hickman and Rose, Tel: +44 20 770 25 331, Mobile: +44 (0) 793 227 5154, sdabbagh@hickmanandrose.co.uk

Notes

[1] The UN FFM interviewed 112 witnesses. Some of their accounts are available at http://www.humanrightsfund.org/hrlaf-news.html

ANNEX – KEY FINDINGS

The 56-page report forms a comprehensive indictment of Israeli actions, which includes these findings:

  • The conduct of the Israeli military and other personnel towards the flotilla passengers was not only totally disproportionate to the occasion but demonstrated levels of totally unnecessary and incredible violence.  It constituted “grave violations of human rights law and international humanitarian law”

  • Systematic humiliation and violent treatment of passengers, and the ‘shocking’ and ‘gratuitous’ use of violence.

  • No evidence that the passengers fired or had firearms (para 165)

  • No effort was made to minimise injuries at certain stages of the operation and that the use of live fire was done in an extensive and arbitrary manner. “It is difficult not to conclude that, once the order to use live fire had been given, no one was safe,” the report states. “It seems a matter of pure chance that there were not more fatalities as a result.” (para 169)

  • There was a “prevailing climate of fear of violence that had a dehumanizing effect on all those detained on board.” (para 178)

  • Two passengers received wounds compatible with being shot at close range while lying on the ground (para 118)

  • None of the four passengers who were killed in a separate incident - including a photographer - “posed any threat to the Israeli forces,” (para 120)

  • Force used by the Israeli soldiers in intercepting the Challenger I, the Sfendoni and the Eleftheri Mesogios was unnecessary, disproportionate, excessive and inappropriate and amounted to violations of the right to physical integrity (para 173)

  • The factual circumstances provide prima facie evidence that protected persons suffered violations of international humanitarian law including wilful killing, torture or inhuman treatment and wilfully causing great suffering or serious injury to body or health within the terms of Article 147 of the Fourth Geneva Conventions (para 182).

  • Passengers were “jeered at and taunted by the people on the quay,” in a way that passengers found to be “unsettling and humiliating.” (para 185)

  • Passengers were “beaten or physically abused for refusing to sign or for advising others not to sign,” papers at the airport.

  • Passengers were subjected to a series of meticulous searches, including strip searches with a number describing the process as being “deliberately degrading and humiliating, accompanied by taunts, provocative and insulting language and physical abuse.” (para 189).

  • The wife of one of the deceased passengers was treated with complete insensitivity to her bereavement (para 194)

  • Extreme and unprovoked violence was perpetrated by uniformed Israeli personnel upon passengers at the airport, accounts of which were “so consistent and vivid as to be beyond question.” (para 202)

  • Unarmed passengers were baton charged at the airport, “In the foray,” the report states, “around 30 passengers were beaten to the ground, kicked and punched in a sustained attack by soldiers.”

  • A doctor clearly identified as such was kicked and punched (para 207)

  • Israeli military and police personnel at the airport exhibited behaviour much of which “was surely criminal under domestic Israeli law.” (para 209)

  • The wounded were handcuffed to their beds using standard metal handcuffs and that sometimes their feed was shackled when they were held in Israeli hospitals.

  • The Israeli authorities confiscated a large amount of video and photographic footage and that this confiscation “represents a deliberate attempt by the Israeli authorities to suppress or destroy evidence, “ (paras 240-1)

  • Withholding and sometimes destroying private property of passengers “represents both a violation of rights related to property ownership and to the freedom of expression,” (para 245)

  • In prison, passengers were subjected to “sleep deprivation and denial of access to a lawyer,” (para 251)·     

  • Acts of torture were committed by Israeli officials against passengers during their period of detention in Israel (para 219)

Voltar ao início desta página


Gaza flotilla attack: UN report condemns Israeli 'brutality'

UN Human Rights Council accuses Israel of a 'disproportionate' response to Gaza blockade-breakers, nine of whom died

Haroon Siddique guardian.co.uk, Wednesday 22 September 2011 22.14 BST Article history

An Israeli army military vessel enters the port of Ashdod in May amid reports of deaths on the blockade-breaking flotilla.

A UN-appointed panel said today that Israeli forces violated international law, "including international humanitarian and human rights law", during and after their lethal attack on a flotilla of ships attempting to break the blockade of Gaza in May.

The UN Human Rights Council's fact-finding mission judged Israel's naval blockade of the Palestinian territory to be "unlawful" because there was a humanitarian crisis in Gaza at the time.

The panel's report, published today, described Israel's military response to the flotilla as "disproportionate" and said it "betrayed an unacceptable level of brutality".

Eight Turkish activists and one Turkish-American were killed in the raid, which prompted international criticism of both the attack and Israel's policy of blockading the Gaza Strip. Israel has since eased its embargo, although still refuses to allow full imports and exports and the free movement of people.

Israel says the soldiers acted in self-defence. But the mission criticised the Israeli government for failing to co-operate with its inquiry. "Regrettably to date, no information has been given to the mission by or on behalf of the government of Israel," it said.

The panel was led by Karl Hudson-Phillips, a retired judge of the international criminal court and former attorney general of Trinidad and Tobago.

The report said: "The conduct of the Israeli military and other personnel towards the flotilla passengers was not only disproportionate to the occasion but demonstrated levels of totally unnecessary and incredible violence. It betrayed an unacceptable level of brutality. Such conduct cannot be justified or condoned on security or any other grounds. It constituted grave violations of human rights law and international humanitarian law."

The panel concluded that there was "clear evidence" of wilful killing, torture or inhuman treatment and wilfully causing great suffering or serious injury to body or health – all crimes under the Geneva Convention.

The panel expressed the hope that there would be "swift action" by the Israeli government to help victims achieve effective remedies. "The mission sincerely hopes that no impediment will be put in the way of those who suffered loss as a result of the unlawful actions of the Israeli military to be compensated adequately and promptly," it said. It described the blockade of Gaza as "totally intolerable and unacceptable in the 21st century".

The Israeli government has fiercely resisted demands for an independent international inquiry into the flotilla attacks, establishing three internal investigations to avert pressure from the UN, Europe and Turkey.
 

See more at http://www.guardian.co.uk/world/2011/sep/22/gaza-flotilla-un-condemns-israeli-brutality

Voltar ao início desta página


A letter to the people of Israel

Carta aberta ao povo de Israel

http://www.youtube.com/watch?v=wgp_3_rPWwo

Journalist Lauren Booth was on the first Free Gaza voyage and stayed to work in Gaza after the boats left. Her heartfelt letter to the people of Israel should be read and seen by everyone who hopes for peace in the Middle East. This stunning video tribute to her words was designed and produced by the Free Gaza movement.

Voltar ao início desta página


WATCH THIS VIDEO: http://www.youtube.com/watch?v=UAMFRkATYX0


Message for the Uniforms and the Dark Suits
Please post and circulate far and wide - This is the link to send:

http://www.davidicke.com/headlines/36777-david-icke-message-for-the-uniforms-and-the-dark-suits-


Even The Troops Are Waking Up - A Fantastic Video

Please circulate and wide - this is the link to send:

 

ALBUQUERQUE JOURNAL.......PRINT SUCCESS!!! BRAVO

Col Ann Wright spoke in Albuquerque last week. Several days later, a reporter interviewed the Israeli mouthpiece for the region, Asher Yarden, consul general of Israel to the Southwest and never asked him a single probing question. One of Free Gaza's long time supporters, Miriam Adams, wrote to me outraged over the accusations in the article. She suggested I write a short oped in response to Yarden's lies, one of them so outrageous, stating that they had video tapes of martyr statements from two of the men they murdered. These 'alleged' tapes were in Turkey.

Between my writing and Miriam's writing, we got the piece published today. More importantly are her comments to me below. If you are discouraged or you think they aren't out their listening, they are. The information is below in the link. If any of you want to write and thank the Albuquerque Journal for printing the oped, please do. They need to hear from us. Greta

On Sat, Aug 7, 2011 at 6:13 PM, madams12 <madams12@earthlink.net> wrote:

Dear Greta....
Success!!!!....your OpEd piece WAS published....given Front and Center placement on rightside Editorial page with very large headline above and Cartoon to its Right....thus prominently placed in today's (Sat) paper ....all thanks to you!! thank you for taking time to ensure that these guys WOULD respect your affiliation with FGM and thus your words, since they rarely if EVER publish local Ltr to Ed from me or others...This is nothing less than a rousing success for GAZA!!...many thanks/blessings/salaams/hugs, Miriam

The following cartoon was published next to Greta's superb OpEd in today's paper however the Albq Journal doesn't 'allow' syndicated cartoons to be
viewed on their website. (this image can be found on http://www.intoon.com/#86655 Mike Keefe cartoons in case you cannot see the image)...

Printed from ABQjournal.com, a service of the Albuquerque Journal
URL: http://www.abqjournal.com/opinion/guest_columns/07233216opinion08-07-10.htm

Saturday, August 07, 2011
Israeli Consul Spins Attack on Flotilla
By Greta Berlin
Co-founder, Free Gaza Movement

Once again, Israel commits war crimes against a civilian population on board six ships in international waters then whines that it is the victim of a PR smear.

Journal Staff Writer Lloyd Jojola's interview with Asher Yarden, consul general of Israel to the Southwest, proves they think they can spin the story of piracy at sea to sympathetic journalists who will ask no probing questions, but merely spout back what the apologists say.

So let's look at the facts instead of Israel's spin.

1. We were in international waters, 65 miles off the coast of Israel on our way to deliver supplies to the people of Gaza that Israel refuses to allow into Gaza.

2. The people on board all six boats were attacked by Israeli terrorists, not just the Mavi Marmara.

3. International law says Israel's siege on 1.5 million Palestinians is illegal, and that is the main reason we were sailing, to break Israel's illegal blockade.

4. As members of civil society, we have the right to hold Israel accountable for war crimes and crimes against humanity since governments refuse to stand up to Israeli illegal actions, and

5. We have the right to self defense if attacked, defending our friends, families and boats.

We faced a highly armed militia that deliberately attacked us in the early morning hours. Their commandos murdered us, beat us, dragged us into a port where we had no intention of going, deprived us of lawyers for hours, stole all of our equipment and tapes, lied about the audiotapes they issued, and are now lying about some so-called video tapes made in Turkey. The men who were killed ranged between 33-61 with one American Turkish young man of 19 who wanted to be a doctor who was shot five times in the head and back. There are autopsy reports available ... and there are descriptions of who they were, why they were going and how many times they were shot on our website at www.freegaza.org.

Your reporter never asked the tough questions of this Israeli mouthpiece.

Why didn't the Navy wait until morning? Why did they attack a civilian caravan in international waters? Why did they murder nine men with 31 bullets, many to the head? Why did they maim and wound people on board the other boats, several of them beaten so badly they had broken bones?

Why not ask for the truth instead of Israel's spin? Why believe this man, Asher Yarden, when people can hear the testimony of those passengers who were on board, many of them threatened with bodily harm?...

Who are you going to believe? A decorated U.S. war veteran, Ann Wright, who participated in the flotilla and recently spoke in Albuquerque, as reported in the Journal, or a mouthpiece for Israel?
http://www.abqjournal.com/opinion/guest_columns/07233216opinion08-07-10.htm

--
Greta Berlin, Co-Founder
+33 607 374 512
witnessgaza.com
www.freegaza.org
http://www.flickr.com/photos/freegaza

Voltar ao início desta página


London, July 26, 2011, Six weeks after the Freedom Flotilla ships were forcibly boarded in international waters, their passengers illegally jailed and the cargo impounded by the Israeli authorities, the office of the United Nations Special Co-ordinator for the Middle East (UNSCO) has promised to deliver the full humanitarian aid cargo to UN. agencies in Gaza.
“The cargo finally being processed for delivery this week consists of supplies prevented by Israel from entering Gaza for the last three years. On the MV Rachel Corrie, the cargo ship of the Free Gaza Movement, we were carrying 20 tons of paper, plus pens & books for schools & universities, over 50 tons of medical supplies & 550 tons of cement for Al Shifa Hospital.  Instead of docking in Gaza & distributing the supplies to the intended recipients, Israel impounded cargo, searched, then handed over to an overburdened UN , who can give no guarantees that it will get to the intended schools or NGO's."  said Niamh Moloughney, coordinator of the Free Gaza Movement – Ireland. The Rebuilding Alliance, one of the U.S. organizations to place humanitarian cargo on the Rachel Corrie is none-the-less hopeful that the backpacks, sports equipment, and building materials donated by hundreds of Americans will be delivered to the designated Gaza non-governmental organizations (NGO’s) . “When we first learned of the Freedom Flotilla, we asked our partner NGO’s in Gaza what we could send that would matter most to them, given the 3 year-long blockade,” said Donna Baranski-Walker, Executive Director of the Rebuidling Alliance, a San Mateo CA-based nonprofit. “They asked Americans to send messages to children, along with backpacks, sports equipment, and cement to build a kindergarten.” Added Ms. Moloughney, “Israel has insisted that cargo be brought into Ashdod for delivery, but this ignores the overall illegitimacy of Israel's closure policy. It also means that once more Israel profits from its illegal acts.  The 'easing' of the blockade means nothing to families whose homes and businesses are still in ruins and allows them only to be consumers of Israeli goods."
The Free Gaza Movement repeats that only a complete end to Israel's punitive closure policy will suffice in starting to repair the economy of this decimated slice of the Mediterranean, the only territory in the world that does not have access to its own sea. “We ask people throughout the world to press their governments to open Gaza, not just for aid but for movement and trade as well, to truly end the collective punishment of Gaza’s civilian population,” said Huwaida Arraf, chair of the Free Gaza Movement. “That’s why we will continue to send ships to Gaza loaded with civilian supplies Israel refuses to allow into Gaza – and on return, fill our ships with goods from Gaza for export.  We look forward to international cooperation in developing a sea route certification system to assure aid, fair trade and the safety of all.” Israel continues to hold all of the vessels that it illegally commandeered, including the seven ships of the Freedom Flotilla, as well as the Spirit of Humanity, which Israel hijacked in June 2009.

Contact: Niamh Moloughney, +353 857 747 257

Donna Baranski-Walker, +650 325-4663 Rebuilding Alliance

Huwaida Arraf, +972-548-817-046 or +970-598-336-215

--
Greta Berlin, Co-Founder
+33 607 374 512
witnessgaza.com
www.freegaza.org
http://www.flickr.com/photos/freegaza

Voltar ao início desta página


PIRATARIA ISRAELENSE!

Enquanto nos preparamos para contestar o bloqueio ilegal de Israel de Gaza, mais uma vez, gostaríamos de pedir para você lembrar os nove homens assassinados a sangue frio pelos soldados israelenses, que desceram de helicópteros para disparar com balas reais. Os laudos oficiais serão divulgados na próximas semanas, mas relatórios preliminares dizem que os nove homens foram mortos com mais de 31 disparos no rosto e na parte superior da cabeça. Se você ainda não viu as fotos ou leu quem são eles, temos agora o registro das informações e também como eles foram mortos em nosso site no Flickr. Por favor, dedique um momento para prestar seus respeitos e, talvez, escrever um comentário.

http://www.flickr.com/photos/freegaza/?saved=1

Estes nove homens eram maridos e pais, um estudante americano que queria se tornar um médico, um bombeiro que veio para ajudar a bordo da Marmara Mavi, um  fotógrafo baleado no meio da testa enquanto tentava fotografar o ataque de Israel em um navio civil em águas internacionais no escuro. Não importa o motivo que Israel alega para distorcer os fatos, falando que tentam justificar o assassinato e mutilação e é importante lembrar que nenhum destes homens estavam armados com pistolas, bombas ou de gás lacrimogêneo. Membros a bordo da Marmara Mavi tentaram se defender... o que que cada um de nós teria feito se a nossa família, amigos, navio ou casa fosse atacada por invasores mascarados armados e atirando. Nenhum soldado israelense foi morto. Os poucos que ficaram feridos foram tratados por médicos turcos e, em seguida, enviados de volta para sua unidade. Os terroristas a bordo do navio, bem como os outros cinco navios, (onde os passageiros foram agredidos, amarrados, feridos e atacados com gás lacrimogêneo), trabalhava para a Marinha israelense.

-
Greta Berlin, co-fundadora
witnessgaza.com
www.freegaza.org
http://www.flickr.com/photos/freegaza

As we get ready to challenge Israel's illegal blockade of Gaza once more, we would ask you to remember the nine men murdered in cold blood by Israeli commandos, who came down from helicopters firing live ammunition. The official autopsy reports will be released in the next couple of weeks, but preliminary reports say the nine men were shot over 31 times, most through the face and the top of the head. If you have not seen their photos or read who they are, we have now uploaded their information as well as how they were killed onto our FLICKR site. Please take a moment to pay your respects and maybe, add a comment.

http://www.flickr.com/photos/freegaza/?saved=1

These nine men were husbands and fathers, an American student who wanted to become a doctor, a fireman who came to help on board the Mavi Marmara, a photojournalist shot through the middle of the forehead as he tried to photograph Israel's assault on a civilian ship in international waters in the dark. No matter what spin Israel sends out or its slick talking heads who try to justify murder and mayhem, it is important to remember that none of these men were armed with guns, sound bombs or tear gas. No Israeli soldier was shot... as members on board the Mavi Marmara tried to defend themselves... something every one of us would have done if our family, friends, ship or home was attacked by masked armed intruders. No Israeli soldier was killed. The few who were injured were treated by Turkish doctors, then sent back to their unit. The terrorists on board that ship as well as the other five ships, (where passengers were beaten, tied up, tear gassed and wounded), worked for the Israeli navy.
--
Greta Berlin, Co-Founder
witnessgaza.com
www.freegaza.org
http://www.flickr.com/photos/freegaza

Voltar ao início desta página


ISRAEL: MAIOR HIPÓCRITA DO MUNDO!

O Irã não deve ter o que Israel já tem por mais de 40 anos (E ofereceu para o regime do apartheid fascista na África do Sul)?

A hipocrisia da maior potência nuclear do mundo (Estados Unidos da América) e de a única potência nuclear no Oriente Médio (Israel), que pretendem utilizar o potencial de posse de armas nucleares pelo Irã como uma razão para mandar seus exércitos para quase além da imaginação.
Além disso, os Estados Unidos tem se envolvido em guerras após guerras em todo o mundo e é o único país a assassinar civis de outro país com uma bomba atômica, duas na verdade. Israel vai para a guerra, em média, a cada dois anos e tem uma guerra permanente contra os palestinos. Os maníacos controlando ambos os países (para os Rothschilds) são psicopatas com o dedo no botão. Reconfortante, não é?
Em contrapartida, quantas guerras o Irã começou nos últimos 100 anos ou mais? Nenhuma! Isso não quer dizer que concordo com a liderança iraniana ou a sua instituição religiosa - eu não - mas é claro que é a verdadeira ameaça para o mundo e não é o Irã.
"Faça o que eu digo, não o que eu faço" é o slogan com que todos os mandões e os que controlam Israel e os Estados Unidos (os Rothschilds e seus lacaios) agridem o mundo.

David Icke

ISRAEL: THE GLOBAL HYPOCRITE

... IRAN MUST NOT HAVE WHAT ISRAEL HAS HAD FOR MORE THAN 40 YEARS
(And offered to the fascist apartheid regime in South Africa)

The hypocrisy of the world's biggest nuclear power (America) and the only nuclear power in the Middle East (Israel) seeking to use the potential possession of nuclear weapons by Iran as a reason to send the boys in is almost beyond the imagination.
Also, America has been involved in war after war after war all over the world and is the only country to drop an atomic bomb, two in fact, on another. Israel goes to war on average every couple of years and has a permanent war against the Palestinians. The maniacs controlling both countries (for the Rothschilds) are psychopaths with their finger on the button. Comforting isn't it?
In contrast, how many wars has Iran ever started in the last 100 years and more? None. That is not to say I agree with its leadership or its religious imposition - I don't - but it is clear who is the real threat to the world and it's not Iran.
'Do what I say, not what I do' is the catch-phrase of all bullies and those that control Israel and America (the Rothschilds and their lackeys) are bullies to the world.

David Icke

They said it couldn't be done, that Americans couldn't raise money fast enough to buy a boat to join Freedom Flotilla 2 in the fall. But never underestimate American determination in the face of Israeli intransigence and brutality. The launch of the US Boat to Gaza began last night in New York, and Free Gaza was there to participate.

Listen to Col. Ann Wright's eloquent speech, then watch our TWITTER page for the next video uploads.

And this is just a beginning, as witnessgaza.com gets ready to go live for events across the US and across Europe.

"The Audacity of Hope" is more than just a book title. It is a call to everyone who believes in justice for Palestine... that there is hope, that civil society will do what governments refuse to do, that we will sail again and again until Palestinians gain the human and civil rights that have been denied to them for 62 years.

Voltar ao início desta página


WE SAIL UNTIL PALESTINE IS FREE.
--
Greta Berlin,
witnessgaza.com

http://www.youtube.com/watch?v=GnqItpJI4rs

David Rovics has written an evocative song called "All Aboard the Mavi Marmara." The Free Gaza team has added images in tribute to the nine brave men on board who gave their lives in pursuit of justice for the Palestinians.

This is our tribute to the men. They had names and families and children. They dreamed their dreams just as the Palestinians do.

Israeli commandos took all of that away from them by murdering them... 31 shots, most through the head and the back. The world needs to remember them. The world needs to remember the Palestinians who Israel kills every day. "All Aboard the Mavi Marmara" will be a song you will sing in your head for days. The images, we hope, you will never forget.

We sail again in the fall. Help us make that happen.

--
Greta Berlin, Co-Founder, The Free Gaza movement
+33 607 374 512
witnessgaza.com
www.freegaza.org
http://www.flickr.com/photos/freegaza
 

Voltar ao início desta página


GAZA LIVRE!



As histórias dos sobreviventes do massacre começaram a se revelar na mídia assim que estes retornaram para casa.
Algumas das histórias são de cortar o coração, outras são pura esperança, mas todas denunciam o ataque e o rapto de passageiros por Israel.
Temos aqui apenas uma das muitas histórias que surgem diariamente. O passageiro Kevin Neish diz como foi ser raptado e mantido em cativeiro em http://www.counterpunch.com/lindorff06162011.html

Para conhecer mais histórias de sobreviventes, INCLUSIVE DA CINEASTA BRASILEIRA IARA LEE, acesse http://www.freegaza.org/pt/testimonies-from-israeli-jail/1221-in-their-own-words-survivor-testimonies-from-flotilla-31-may-2011

Veja também os vídeos em www.witnessgaza.com e cartuns em http://www.flickr.com/photos/freegaza/

Greta Berlin, Co-Fundadora
www.witnessgaza.com

www.freegaza.org

http://www.flickr.com/photos/freegaza

Voltar ao início desta página


Sexta Semana Anual Internacional Contra o Apartheid Israelense (SAI - CAI)

Solidariedade em ação: Boicote, Desinvestimento, Sanções

A 6ª Semana Internacional Contra o Apartheid Israelense (IAW) acontece mundialmente

Desde seu lançamento, em 2005, a IAW vem crescendo e se tornando o mais importante evento mundial do calendário de solidariedade à Palestina. No ano passado, mais de 40 cidades do mundo todo participaram das atividades desta semana, as quais coincidiram com o brutal ataque desfechado por Israel contra os Palestinos da Faixa de Gaza. A IAW continua expandindo por novas cidades participantes neste ano.

A IAW 2011 aconteceu seguida de um ano de incrível sucesso no movimento ao Boicote, Desinvestimento e Sanções em nível global. Palestras, filmes e atos coroaram de sucessos algumas injustiças que a fazem tão crucial na batalha para extinguir o Apartheid Israelense. Palestrantes e uma programação completa para cada cidade estiveram disponíveis.

Se você está planejando organizar uma IAW em sua cidade em 2012, por favor contate: iawinfo@apartheidweek.org

Voltar ao início desta página


BOICOTE AO REGIME DE APARTHEID!

QUEM É CONTRA O APARTHEID DE ISRAEL?

 Professores são contra o APARTHEID

 Crianças são contra o APARTHEID

 Israelenses são contra o APARTHEID

 Mulheres são contra o APARTHEID

 Negros são contra o APARTHEID

 Gaza é contra o APARTHEID

 Ingleses são contra o APARTHEID

 Americanos são contra o APARTHEID

 Ativistas são contra o APARTHEID

 Universitários são contra o APARTHEID

 Cristãos são contra o APARTHEID

 Muçulmanos são contra o APARTHEID

 Europeus são contra o APARTHEID

 Internautas são contra o APARTHEID

 Humanistas são contra o APARTHEID

 Australianos são contra o APARTHEID

 Africanos são contra o APARTHEID

 Experientes são contra o APARTHEID

 Judeus são contra o APARTHEID

MAS... ENTÃO QUEM APOIA O APARTHEID DE ISRAEL?

 Boicote SARA LEE por apoiar o APARTHEID

 Boicote TESCO por apoiar o APARTHEID

 Boicote quem apoia o APARTHEID

 IGNORANTES apoiam o APARTHEID

 Boicote AHAVA por apoiar o APARTHEID

 Boicote TELEATLANTIC por apoiar o APARTHEID

 Boicote MOTOROLA por apoiar o APARTHEID

A MOTOROLA DESRESPEITA OS DIREITOS HUMANOS! NÃO DIGA "ALÔ, MOTO", DIGA "ADEUS, MOTO"!

 Boicote MOTOROLA por apoiar o APARTHEID

DO NOT SAY "HELLO MOTO" ANYMORE. SAY "BYE BYE MOTO"!

 Boicote MOTOROLA por apoiar o APARTHEID

 Boicote MOTOROLA por apoiar o APARTHEID

 Boicote LEVIEV por apoiar o APARTHEID

 INESCRUPULOSOS apoiam o APARTHEID

 SIONISTAS apoiam o APARTHEID

BOICOTE. SE ISSO NÃO FUNCIONAR, ENCONTRE OUTRA FORMA DE DIZER NÃO AO APARTHEID!

BOICOTE - DESINVESTIMENTO - SANÇÕES: A resposta não-violenta ao APARTHEID e à ocupação israelense

Veja este vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=q2Owx2j_fcs&feature=player_embedded

 SE O MUNDO DERRUBOU O MURO DE BERLIM, PODE DERRUBAR O MURO DA PALESTINA.

SE VOCÊ NÃO CONCORDA COM O APARTHEID, BOICOTE EMPRESAS SIONISTAS!

 NÃO HÁ MAIS LUGAR PARA O APARTHEID EM NOSSO MUNDO.

BOICOTE PRODUTOS ISRAELENSES

 "A HUMANIDADE DEVE CONSTRUIR PONTES ENTRE POVOS"

"A HUMANIDADE NÃO DEVE CONSTRUIR MUROS ENTRE POVOS"

O ABSURDO TAMANHO DO APARTHEID

  COMO PRESSIONAR O REGIME RACISTA DE ISRAEL? BASTA BOICOTAR OS PRODUTOS DELES... E É MUITO FÁCIL FAZER ISSO: É SÓ LEMBRAR DE QUANTOS MORTOS FORAM NECESSÁRIOS PARA SE FABRICAR IMORALMENTE UM PRODUTO SOB UM REGIME DE APARTHEID.

SE O MUNDO DERRUBOU O APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL, PODE DERRUBAR O APARTHEID EM ISRAEL.

O MUNDO CONSEGUIU ACABAR COM O APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL BOICOTANDO TODOS OS PRODUTOS DE LÁ. ISSO DOEU NO BOLSO DO GOVERNO SUL-AFRICANO E O APARTHEID FOI EXTINTO.

BOICOTE O APARTHEID

PARANDO A MÁQUINA APARTHEID SIONISTA

BOICOTE ISRAEL

Voltar ao início desta página


Hitler teve ajuda

Adolf Hitler foi completamente responsável pelo Holocausto, mas teve ajuda!

Henry Ford e os Protocolos dos Sábios de Sião

Quem forneceu a Hitler a base inicial a fim de transmutar séculos de ódio religioso no novo anti-semitismo político do século vinte? Foi Henry Ford, agindo diretamente através da Ford Motor Company. Em 1920 o crédulo porém arrebatado Ford adquiriu um texto datilografado forjado, que o convenceu da existência de uma conspiração judaica maléfica e internacional, determinada a subjugar o mundo pela manipulação indireta de governos, jornais e sistemas econômicos.

 “Tenho Henry Ford como minha inspiração.” - Adolf Hitler

Essas revelações constavam do notório – e inteiramente falso – "Os Protocolos dos Sábios de Sião"

A fim de abastecer o mundo com essa nova modalidade de ódio aos judeus, Ford comprou um jornal falido, o Dearborn Independent, que serializou Os Protocolos por 91 semanas. Sua empresa em seguida publicou a série sob a forma de livro, com o título O Judeu Internacional (The International Jew). Usando as técnicas de produção de massa, Ford pode expandir o alcance dos Protocolos, transformando-o de panfleto insignificante circulado entre uns poucos numa sensação nacional com tiragem de 500.000 exemplares. Ao devotar a força nacional de vendas e os ativos da Ford Motor Company à tarefa da hostilidade, Henry Ford foi o primeiro a organizar o anti-semitismo político nos Estados Unidos. Acabou tornando-se, na verdade, herói dos anti-semitas do mundo inteiro.
Na Alemanha, onde Ford era venerado, O Judeu Internacional foi traduzido e publicado em fevereiro de 1921. O livro conheceu seis edições em dois anos, com milhares de exemplares impressos. O livro de Ford tornou-se rapidamente a bíblia dos anti-semitas alemães e das primeiras encarnações do partido nazista. Os nazistas distribuíam a obra país afora “aos borbotões”.
Entre os alemães que foram profundamente influenciados pelo livro estava Adolf Hitler. O Fuhrer leu a obra pelo menos dois anos antes de escrever o Mein Kampf. E deixa claro que leu. No capítulo 11 do Mein Kampf Hitler escreveu: “Toda a existência deste povo é baseada numa mentira contínua, como demonstrado incomparavelmente pelos Protocolos dos Sábios de Sião. Com segurança absolutamente aterrorizadora, esses documentos revelam a natureza e a atividade do povo judeu, bem como seus objetivos últimos”. Hitler descreveu Ford como “seu herói”. Não é de admirar que Ford tenha recebido a Medalha da Águia Alemã de Hitler, numa suntuosa cerimônia em Berlim. A medalha era reservada para estrangeiros que prestavam serviços especialmente valiosos ao Reich.
O Instituto Carnegie e a ciência americana do melhoramento genético.
Quem forneceu a Hitler as argumentações médicas pseudocientíficas que justificaram uma guerra a fim de gerar uma raça superior loira e de olhos azuis com o dever de obliterar as demais raças, tidas como inferiores? Foi o Instituto Carnegie (a encarnação filantrópica da maior fortuna de aço dos Estados Unidos), que propagou a eugenia, a letal ciência racial americana. A partir de 1911 os cientistas do Instituto Carnegie passaram a defender com sucesso a noção de que os milhões ao redor do mundo que não se conformavam ao estereótipo nórdico do loiro de olhos azuis não eram dignos de existir sobre a terra.

A ciência norte-americana da eugenia acreditava que traços sociais como a pobreza, a prostituição e a preguiça eram determinados geneticamente. A permanência de linhagens racialmente inferiores – uma faixa ampla, que abrangia 90 por cento da humanidade – devia ser combatida através de vários métodos. Esses métodos incluíam meticulosa identificação, apreensão de bens, proibição ou anulação de casamento, esterilização cirúrgica forçada, segregação em campos e câmaras de gás operadas pelo governo. Numerosas propostas de melhoramento genético foram promulgadas sob a forma de lei em 27 estados americanos. Em última análise, 60.000 pessoas foram esterilizadas a força, milhares foram encarceradas em campos estatais e inúmeras tiveram suas uniões civis anuladas, sendo, em alguns casos, sujeitas a negligência médica organizada e letal. O juiz Oliver Wendell Holmes, da Suprema Corte norte-americana, conferiu a essas práticas o status de lei legítima do país, declarando justificados atos dessa natureza. “Será melhor para todo o mundo”, escreveu Holmes, “se ao invés de esperar para executar uma prole degenerada pelos seus crimes, ou deixar que morram de fome por sua imbecilidade, a sociedade passe a impedir os que são manifestamente incapazes de darem continuidade à sua linhagem”.
O Instituto Carnegie e o movimento patrocinado por ele gastaram milhões de dólares na tarefa de propagar as teorias americanas de melhoramento genético na Alemanha de pós-Primeira-Guerra, financiando programas de ciência racial em universidades e outras instituições oficiais. Essas teorias incluíam a idéia de que os judeus deviam ser eliminados.
Enquanto estava na prisão Hitler estudou com atenção a eugenia norte-americana. No Mein Kampf ele insistiria: “Existe hoje em dia um único Estado em que são detectáveis iniciativas hesitantes no sentido de uma concepção de qualidade superior. Esse Estado não é, obviamente, nossa modelar República Alemã, mas os Estados Unidos.” Hitler diria com orgulho a seus camaradas: “Tenho estudado com grande interesse as leis de diversos estados norte-americanos com respeito à prevenção da reprodução de gente cuja prole se mostraria, com toda a probabilidade, de pouco valor ou mesmo prejudicial à qualidade da raça”. Hitler teve apenas de substituir o termo norte-americano “nórdico” pelo termo nazista “ariano”, medicalizando em seguida seu anti-semitismo virulento e pré-existente e seu fascismo nacionalista, a fim de formular o conceito da raça superior de cabelos loiros e olhos azuis glorificada por ele no seu Mein Kampf.
Hitler estava de tal modo mergulhado na ciência racial norte-americana que escreveu uma carta de fã entusiasmado ao líder eugenista americano Madison Grant, chamando sua obra de “minha bíblia”.
O terceiro Reich programou todos os princípios eugenistas norte-americanos com enorme ferocidade e velocidade, respaldado por um exército conquistador. “Enquanto estamos aqui pisando em ovos”, incensou Leon Whitney, secretário executivo da Sociedade Norte-Americana de Eugenia, “os alemães estão dando nome aos bois”. Conforme insistia Rudolf Hess, adjunto de Hitler, “o nazismo nada mais é do que biologia aplicada”.
A Fundação Rockefeller e as experiências com gêmeos
Quem forneceu aos odiosos experimentos médicos de eugenia de Hitler os recursos para cometer crimes atrozes contra gêmeos inocentes? Foi a Fundação Rockefeller, a encarnação filantrópica da Standard Oil. A Fundação agiu como parceira integral do Instituto Carnegie no estabelecimento da eugenia na América e na Alemanha. Na busca do aperfeiçoamento da raça superior, milhões de dólares da era da Depressão foram transferidos por Rockfeller para os médicos mais anti-semitas de Hitler. Nessa busca, uma espécie de cobaia era desejada acima de todas as outras: irmãos gêmeos.
Rockefeller patrocinou o principal eugenista de Hitler, Otmar Verschuer, e seus insaciáveis programas de experimentação em irmãos gêmeos. Acreditava-se que os gêmeos traziam em si o segredo da multiplicação industrial do arquétipo racial ariano e da rápida eliminação dos biologicamente indesejáveis. Verschuer tinha um assistente, Josef Mengele. O patrocínio de Rockefeller cessou durante a Segunda Guerra, mas àquela altura Mengele já havia se transferido para Auschwitz a fim de dar continuidade de forma monstruosa à sua pesquisa com gêmeos. Sempre o metódico eugenista, Mengele continuou mandando semanalmente minuciosos relatórios clínicos para Verschuer.
A General Motors e a Blitzkrieg
Quem tirou Hitler de cima de cavalos e colocou seus exércitos letais em caminhões de modo a travar sua Blitzkrieg – guerra relâmpago – contra a Europa? Foi a General Motors, que fabricou o caminhão Blitz para a Blitzkrieg. Na qualidade de maior fornecedora de carros e caminhões para o Reich, a GM tornou-se parceira indispensável da guerra de Hitler. Desde as primeiras semanas do Terceiro Reich o presidente da GM, Alfred Sloan, dedicou sua companhia e sua divisão alemã, a Opel, a motorizar uma Alemanha que ainda dependia substancialmente da tração animal, preparando-a dessa forma para a guerra. Antes disso a Alemanha tinha sido um país devotado a uma legendária engenharia automotiva, mas tratava-se de carros construídos um a um, artesanalmente. A GM trouxe a produção de massa até o Reich, convertendo-a de país puxado a cavalo a potência motorizada.
Sloan e a GM conscientemente prepararam a Wehrmacht para travar a guerra na Europa. Detroit chegou a transferir volumosos estoques de peças de substituição dos veículos Blitz para a fronteira da Polônia na semana que antecedeu a invasão de 1º de setembro de 1939, de modo a facilitar a Blitzkrieg.
Fazendo uso de uma camada dissimulatória de reuniões a portas fechadas e comitês executivos especiais, Sloan manteve o papel da GM em segredo o quanto foi possível. Quando a Opel precisava de peças ou moeda estrangeira, Detroit mandava que outras subsidiárias internacionais prestassem socorro de forma clandestina.
Além de motorizar a força militar, Sloan encetou programas maciços de re-emprego, a fim de ajudar a reviver a economia nazista – isso enquanto a companhia recusava-se a recontratar americanos atingidos pela devastação da Depressão. O sucesso da GM gerou diretamente a necessidade da Autobahn. O executivo chefe da GM na Alemanha, James Mooney, recebeu a mesma medalha de Ford, por serviços prestados ao Reich.

A IBM e a solução final

Quem projetou sob medida e planejou em conjunto as soluções nazistas para o problema dos judeus? Foi a International Business Machines, inventora do cartão perfurado Hollerith, precursor do computador contemporâneo. A IBM desfrutava na época de completo monopólio sobre tecnologia de informação. Sob a microgerência de seu presidente, Thomas Watson, e anunciando-se como “uma empresa de soluções”, em 1933 a IBM alcançou o novo regime de Hitler, oferecendo-se para organizar e sistematizar qualquer solução que o Reich desejasse, inclusive soluções para o problema dos judeus.
Com a parceria da IBM o regime de Hitler conseguiu automatizar e acelerar substancialmente todas as fases do Holocausto de doze anos: identificação, exclusão, confisco, guetoização, deportação e até mesmo o extermínio.
Como fazia com qualquer cliente, a IBM simplesmente perguntou ao regime de Hitler qual era o resultado desejado. Em seguida os engenheiros da companhia projetaram sob medida os sistemas de cartões perfurados que gerassem esses resultados. Em primeiro lugar, determinar quem era judeu e onde os judeus moravam – isso com exatidão. A solução da IBM: um censo racial e religioso projetado e tabulado pela companhia. Em segundo lugar, uma vez identificados, a expulsão sistemática dos judeus de todos os segmentos da sociedade. A solução da IBM: a criação de bases de dados que tabulavam e cruzavam as informações de toda sorte de organizações e comunidades, de relações de membros a listas de casamentos, mortes e nascimentos.
Em terceiro lugar, o confisco dos bens dos judeus. A solução da IBM: todos os bancos e instituições financeiras faziam uso dos cartões da IBM, que podiam ser programados para procurar nomes de judeus e suas contas bancárias para confisco. Quarto, a guetoização dos judeus. A solução da IBM: transferir de modo cruzado quadros inteiros de famílias de suas residências atuais para cortiços abarrotados, de modo que num único dia milhares de pessoas pudessem ser deslocadas do ponto A para o ponto B. Quinto, a deportação dos judeus. A solução da IBM: a maior parte das estradas de ferro européias tinha suas rotas determinadas pelos cartões perfurados da IBM. Estações especiais deveriam ser criadas, de modo a garantir que trens com vagões de gado pudessem ser disponibilizados para transportar judeus para os campos. Quando entravam, esses trens estavam abarrotados de pessoas impotentes. Quando saíam, estavam vazios.
Sexto: os judeus deveriam ser mortos de forma industrial e sistemática. Primeira solução da IBM: estabelecer diferentes códigos para a classificação de cada categoria de prisioneiros em campos de concentração. O Código de Prisioneiro 8 designava um judeu. O Código de Status 6 designava morte pela câmara de gás. Desse modo, o Reich sabia sempre quantos judeus estava matando. Nos campos de extermínio, quase todos os judeus eram mortos na chegada – pela coordenação de um sistema desenhado pela IBM, que regulava em sincronia letal a saída das vítimas dos guetos e sua viagem de trem até os campos de morte. Segunda solução da IBM: criar o programa de “extermínio por exaustão” através de programas de cartão perfurado que faziam a correspondência entre as necessidades de trabalho do Reich, onde quer que surgissem, e as habilidades dos prisioneiros judeus. Uma vez transferidos para o local de trabalho, os judeus trabalhavam até morrer.
Havia uma central de atendimento ao consumidor IBM em cada campo de concentração.

Não fosse o continuado e consciente envolvimento de icônicas corporações norte-americanas na guerra de Hitler contra os judeus, a velocidade, o formato e as estatísticas do Holocausto como os conhecemos teriam sido dramaticamente diferentes. Ninguém sabe dizer quão diferente seriam, mas as dimensões astronômicas nunca teriam sido atingidas. Em sua maior parte, os colaboradores corporativos de Hitler nos Estados Unidos vêm tentando há muito tempo obscurecer ou ocultar os detalhes de sua conivência, fazendo uso das consagradas ferramentas de desinformação corporativa, contribuições financeiras e análises críticas compradas e pagas a historiadores. Porém, numa era em que as pessoas deixaram de acreditar nas grandes corporações, os pontos podem ser finalmente ligados, de modo a desvendar o perfil de uma indispensável conexão nazista.

Edwin Black, autor de "A IBM e o Holocausto", em resumo do seu "A Conexão Nazista"

Voltar ao início desta página


Obama duas-caras


:: Acid ::

Parece que basta eu apoiar alguém pra política que este desanda e vira o oposto do que era na campanha... Primeiro Lula, agora Obama.
Pergunto-me, qual a real intenção de "mudança" (change) na campanha do Obama?
Porque não adianta muito fechar Guantanamo e sancionar as leis que dão poderes ilimitados ao governo pra prender pessoas sem acusação formal, fazer escutas, invadir casas, etc., tudo herança de George W. Bush e seu "ato patriótico".

Agora o Osa... Obama está participando de reuniões secretas com outros países pra estabelecer leis extremamente rígidas de copyright na internet, o que vai ser um passo atrás na internet 2.0 (ou participativa) que começou com o Youtube. Caso seja aprovada essa lei (que não está sendo discutida com o POVO QUE O ELEGEU), praticamente tudo que botemos no ar na internet pode ser tirado (e até mesmo o usuário pode perder seu acesso à internet sem julgamento!) com alegação de que está usando propriedade de terceiros. E a internet só vai ser usada pra comunicação em texto, fotografias pessoais, e o modelo de consumo de mídia vai ser todo centralizado, com transmissão exclusiva de conteúdos da Globo, CNN, estúdios de cinema, etc. É Obama cuspindo no prato que comeu, pois usou a internet de forma massiva e descentralizada, dando a impressão de alguém que entenderia sua importância pra democracia e a preservaria dessa forma. Caso a lei passe, veremos coisas absurdas, como o que acontece no Brasil, de juiz mandar bloquear o Youtube e a ação de Rubinho Pé-de-Chinelo contra o Orkut por seus usuários falarem a verdade.

E, ao mesmo tempo em que quer deixar a internet mundial amordaçada (porque a maioria dos provedores principais é dos EUA), o governo Obama planeja fazer uma internet provida pelo governo, com dinheiro público. Ou seja, ele cria uma estrutura, com provedores do governo, e gerencia AINDA mais facilmente o controle de copyright. Quem se animou com a idéia? A Motion Picture Association of America (MPAA), que tem sido um pé no saco até com quem faz legendas pra seriados. Em um pronunciamento, a MPAA chamou a internet de "um LUGAR que deve ser governado por leis". Belo conhecimento de causa, hein? E são eles os lobistas por trás das decisões...

Sem falar, é claro, na posição fascista do governo em relação à gripe suína. Todo mundo já deve saber da ligação de Donald Rumsfeld com o laboratório que produz o Tamiflu. O governo Obama não só dá continuidade ao processo de alavancar as vendas do laboratório, como quer OBRIGAR as pessoas a tomarem uma vacina que tem matado gente por aí, contra uma gripe que não está fora de controle e não tem causado mais mortes do que a gripe comum. Será que eles querem vacinar populações inteiras com um agente que causa problemas a longo prazo, pedem desculpa e conseguem clientela para tratamento com remédios (comprado pelo governo) pro resto da vida. A história fica mais assustadora: A jornalista Jane Burgermeister acusou a Organização Mundial de Saúde por bioterrorismo, e por isso foi demitida de seu trabalho. Ela alega ter provas de uma conspiração para vacinação e genocídio em massa. Essas alegações poderiam ser só de uma maluca, sem respaldo na realidade, mas não são. Tem havido uma movimentação sem precedentes no campo militar para algo da escala de uma guerra biológica, e evidências disso começaram a pipocar já no governo anterior, com a compra pela FEMA de 500 mil caixões (de defunto), e a construção de campos de concentração no deserto. Só pra lembrar a FEMA (Federal Emergency Management Agency) está envolvida até a medula com o 11 de setembro, e isso só mostra que o Governo Obama é apenas uma continuação dos interesses do governo Bush (ou deveríamos dizer da Nova Ordem Mundial?).

E o dinheiro pra salvar a economia? Mais uma coisa que começou com Bush e CONTINUOU com Obama. Pra ser mais preciso, essa crise foi algo que COMEÇOU com o governo Clinton (democrata) liberando a farra dos bancos, a fórmula prosperou e desandou no governo Bush (republicano) e a bomba explodiu nas mãos de Obama (democratas). Mas as mentes e a equipe econômica por trás disso tudo (conselheiros, chefes do tesouro) são basicamente os MESMOS durante todo esse tempo! E é impressionante ver Michael Moore reconhecer isso e fazer um comentário ingênuo nesta entrevista (!). Primeiro destroem a economia, depois botam uma arma na cabeça do Congresso, dizem "me dê 700 bilhões ou o mundo entra em colapso", e depois o dinheiro some! E eles continuam lá, ditando as regras do jogo!

E o prêmio Nobel da Paz, que caiu no colo de Obama enquanto mandava mais soldados para matar e morrer no Afeganistão? Sou mais Lula, que consegue dialogar com Irã e Israel e todo mundo gosta dele!

Nem me espantei mais quando a diretora de comunicações da Casa Branca, Anita Dunn, confessou que a campanha de Obama "controlou de forma absoluta" os meios de comunicação. Ela disse que "Tudo o que fazíamos era dar nossos vídeos à imprensa e fazê-los escrever o que Plouffe havia dito, mas não como se Plouffe estivesse fazendo uma entrevista com um repórter. Assim muitíssima coisa estava sob nosso controle, não sob o controle da imprensa". País livre, livre pensamento, mas com imprensa controlada, sabe-se lá como (O sonho de Lula).

De acordo com Dunn, a estratégia de imprensa da campanha era desencorajar críticas ao candidato como tal. "A realidade é que, se era um vídeo de David Plouffe ou um discurso de Obama, uma imensa parte de nossa estratégia de imprensa focalizava em fazer os meios de comunicação cobrirem o que Obama estava realmente dizendo, não o motivo por que a campanha estava dizendo algo", disse ela.

É um pensamento autoritário, mas o que você espera de alguém que diz que Mao Tse Tung e Madre Teresa de Calcutá (?) são "dois dos meus filósofos políticos favoritos"? Acostume-se com o modelo, pois Scott Goodstein, um dos principais responsáveis pela campanha presidencial via internet e celular de Barack Obama, cuidará da estratégia on-line da campanha de Dilma Rousseff à presidência. Que mais o PT vai importar?

Veja mais em http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=09317

Voltar ao início desta página


NAZIsrael

Comparando o holocausto com a atual agressão NAZIsraelense contra a Palestina.

Acreditar pertencer "à raça superior" não é muito diferente de acreditar pertencer "à raça escolhida por Deus".

As fotos em preto e branco (à esquerda) foram tiradas na Europa entre 1941 e 1945; as coloridas (à direita) foram tiradas na faixa de Gaza em janeiro de 2009.

Israel teve bons professores!

QUEREMOS UMA "NUREMBERG" PARA ISRAEL!

NÃO SOMOS CONTRA ISRAEL.

SOMOS A FAVOR DA PALESTINA!

Voltar ao início desta página


A verdade histórica sobre Israel x Palestina

Entendendo o inexplicável

Sem querer declarar opiniões, sem dar razão a essa ou aquela ideologia, sem tomar partido dessa ou daquela facção, sem ser tomado por romantismo histórico ou valorizações devidas ou indevidas desse ou daquele povo, sem registrar interesses, a não ser o de repudiar toda e qualquer violência, aconselho a leitura do texto abaixo que nos traz uma clareza das formas de se escrever a história, nas razões, objetivos e interesses de cada lado envolvido, quando ela acontece.
Lembremos que a história só é escrita pelos vencedores.
As razões dos vencidos e sua versão, ficarão sendo contadas mas não ouvidas, até que haja um revés na sociedade e ela seja modificada ao sabor dos novos vencedores.
Vamos transcrever um texto de Daniel Lopes sobre as pesquisas de Ilan Pappe que tenta explicar a limpeza étnica levada a efeito por Israel contra a Palestina, iniciada desde a ocupação inglesa, com o beneplácito destes, no início do século passado, logo após a 1ª Guerra Mundial (1914-1918).
Esta limpeza étnica tem maior atividade a partir de 1948, com a criação do Estado de Israel, somente 03 anos depois dos judeus sofrerem o eternamente cultuado holocausto, perpetrado pelos nazistas de Hitler, durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945).
Ela, a limpeza étnica, continuou através destas décadas, dois povos seculares que tentam se destruir desde os tempos bíblicos e que nos dão uma demonstração de intolerância e total ausência de sentimentos pela vida em pleno século 21.
O historiador Ilan Pappe, israelense, 50 anos, nascido em Haifa, concentrou-se em estudos do Oriente Médio na escola, serviu seu país na temida seção de inteligência do exército. Obteve o seu doutoramento pela Universidade de Oxford, onde estudou relações internacionais e se aprofundou em estudos do Oriente Médio. Tem ensinado na Universidade de Haifa desde 1984, primeiro no Departamento de Estudos do Oriente Médio e, em seguida, no Departamento de Ciência Política. Pappe é um dos fundadores da "NOVA HISTÓRIA" de Israel, juntamente com Benny Morris e Avi Shalaim, sendo considerado o teórico do grupo que examinou a história do nascimento do Estado de Israel, com base em documentos descobertos nos arquivos militares, entre outros.

Aconselho uma leitura isenta sem julgar esse ou aquele, cada um responderá de acordo com sua obra.
Abraços e boa leitura,
Marcelo Vital Brazil

Voltar ao início desta página


A "transferência compulsória" palestina nos anos 40

por Daniel Lopes

"Então, se quisermos permanecer vivos, temos que matar e matar e matar. O tempo todo, todo dia. (...) Se não matarmos, deixaremos de existir."
Arnon Soffer, professor de Geografia da Universidade de Haifa, Israel, no Jerusalém Post de 10 de maio de 2004

Nenhum conflito desde o fim da Segunda Guerra conseguiu atrair para si tanta irracionalidade, lugar-comum e má-fé do que a contenda palestino-israelense.
De um lado do campo das simplificações, temos o grupo que defende ser "resistência" o terrorismo de grupos compostos por fanáticos religiosos aproveitadores que vitimizam civis israelenses, quando não aqueles em nome de quem dizem agir.
De outro, há os que pensam ser "legítima defesa" o terrorismo estatal israelense.
No meio desse fogo-cruzado em que as paixões afloram, será que existe espaço para uma análise mais serena dos fatos?
Pode-se contar nos dedos das mãos os intelectuais árabes e israelenses que ainda não se entregaram ao chauvinismo dos governos e facções das áreas em que vivem.
Ilan Pappe, historiador israelense, é um deles. Seu livro "The Ethnic Cleansing of Palestine" (A Limpeza Étnica da Palestina - Ed. One World, Oxford, 2006) consegue algo fantástico: ir à raiz do problema, lá na década de 1940, mais dramaticamente.
Ingênuos especialistas em coisa nenhuma vêem as lutas dos palestinos contra o poderoso estado de Israel (terrorismo à parte, embora a muita gente dos dois lados interesse confundir as duas coisas) como mero ressentimento, inveja, direcionado a um grupo de "colonizadores" bem-sucedidos, que com empreendedorismo e méritos próprios conseguiu vencer a miséria típica de seus incapazes vizinhos árabes; ressentimento que, por extensão, também mira os Estados Unidos, os grandes "civilizadores" do mundo cristão-judaico ocidental.
O erro fatal dessa ideia está na total ignorância dos eventos que cercaram a fundação de Israel.
Lendo a mídia main stream do Ocidente fica-se com a impressão de que o que ocorreu na década de 40 do século passado foi a criação de um país para os judeus numa terra quase ou completamente desabitada, pronto para conviver em paz e harmonia com o povo palestino, se apenas este assim desejasse.
Com o passar dos anos, ainda segundo a lenda, por estarem as nações árabes cheias de "anti-semitas" prontos a perpetrarem um "segundo Holocausto", o inocente país judaico teve que se armar e, imediatamente após, começar a praticar atos bélicos – unicamente em legítima defesa.
Esse engodo de "uma terra sem povo para um povo sem terra", claro, não floresceu à toa no imaginário do Ocidente cristão.
Pois ele próprio, séculos atrás, não havia descoberto uma terra livre para povoamento e exploração que viria a ser conhecida como América?
A propósito, é interessante lembrar, como faz Ilan Pappe, da aliança, na primeira metade do século passado, entre sionistas e cristãos milenaristas em favor da ocupação de terras árabes.
O fato de esses cristãos fundamentalistas terem apoiado a criação de um estado para os judeus, não na Europa ou nas Américas, mas no Oriente Médio, faz parte da crença de que a volta dos judeus para a "terra sagrada" estaria em consonância com os planos de Deus, e precipitaria a segunda vida de Cristo.
Infelizmente, a realidade histórica é implacável com os estudiosos preguiçosos bem instalados em suas catedrais em governos, academia e mídia.
Por mais que os fatos sejam adulterados e omitidos por sabe-se lá quanto tempo, haverá sempre (espera-se) homens e mulheres dispostos a contar o que aconteceu, embasados inclusive nos registros secretos ou nem tanto daqueles que pretenderam que a história fosse contada de uma forma diferente.
Neste sentido, a obra de Pappe é inclusive iconoclasta, na medida em que retrata as crueldades cometidas por heróis da historiografia hagiográfica israelense, como o "pai fundador" David Ben-Gurion, um dos mais ativos arquitetos do racista movimento sionista que, do final de 1947 até o início da década de 50, empreendeu uma limpeza étnica na terra palestina, como meio de criar um Israel majoritariamente, se não exclusivamente, judaico.
Para a limpeza étnica, Ben-Gurion tinha um eufemismo na ponta da língua e da pena: "transferência compulsória". Original.
Ephraim Katzir, outro grande nome, futuro presidente do país, foi responsável naquela época por uma divisão responsável por desenvolver armas biológicas para serem usadas contra civis. Sua principal tarefa era a elaboração de uma arma para cegar.
Entusiasmado, comunica ao chefe Ben-Gurion: "Nós a testamos em animais. Nossos pesquisadores estavam com máscaras de gás e vestimentas adequadas. Bons resultados. Os animais não morreram (apenas ficaram cegos). Podemos produzir 20 quilos por dia desse material".

Voltar ao início desta página


Cumplicidade global

Os Estados Unidos não foram a única potência cujas "intermediações" mais agravaram que ajudaram a melhorar esse conflito oriental.
ONU e Inglaterra também foram co-participes na bagunça.
A União Soviética e seu bloco de influência na segunda metade da década de 40 doaram armas ao Partido Comunista israelense, que foram parar no exército nacional em sua guerra contra os palestinos, ao mesmo tempo em que França e Inglaterra embargaram a venda de armas a exércitos nacionais árabes que poderiam defender os palestinos dentro da área que a ONU havia determinado como sua.
Mesmo a respeitável ONG Cruz Vermelha, durante os anos de 1948/9, maneirou na linguagem de seus relatórios que descreviam o trabalho escravo de detentos palestinos em prisões construídas especialmente para esse fim – segundo seu texto, os presos participavam de um esforço para "fortalecer a economia israelense".
"Essa linguagem contida não era acidental", esclarece Ilan Pappe. "Dado seu deplorável comportamento durante o Holocausto, quando falhou em comunicar o que ocorria nos campos de concentração nazistas, sobre o que estava bem informada, a Cruz Vermelha era cuidadosa em sua reprovação e crítica do estado judaico."
Os ingleses, cujo império já havia colaborado para a implantação de embrionários grupos sionistas na região, em 1922, vinham transferindo know-how tático para esses mesmos grupos desde pelo menos 1936, quando, com a crescente insatisfação palestina com a ocupação inglesa, estes incorporaram em suas divisões de repressão comandos sionistas que rapidamente aprenderam como lidar com os revoltosos.
Essa repressão durou de 36 a 39 e matou ou exilou grande parte da liderança política palestina, deixando seu povo sem intermediários ou defensores de peso para os anos seguintes.
Então, em 1948, a Inglaterra abandonou irresponsavelmente aquela região, deixando o caminho livre para o grupo mais forte, de sionistas, levar a cabo suas ações contra os nativos.
Era o adeus britânico a seus sonhos de grandeza imperial, pois o país ficara fragilizado depois da Segunda Guerra por conta de crises internas e também da ascensão de duas novas superpotências, EUA e URSS.
Além do que, in loco, radicais israelenses estavam praticando ataques à infra-estrutura dos britânicos, incapazes de retaliar por conta do enorme valor simbólico que os judeus carregavam devido à recém-encerrada matança hitlerista, que envergonhou toda a Europa e lhes deu certa inviolabilidade.
Sabidos e muito espertos, Ben-Gurion e outros representavam tendo ao fundo essa cortina de inocência, sempre alertando o mundo sobre a possibilidade de um novo Holocausto, a ser perpetrado por impiedosos governos árabes.
Entre quatro portas, no entanto, eles sabiam que o contingente militar árabe arregimentado para apoiar os palestinos estava bem abaixo das próprias forças israelenses, que sofreram uma baixa de 400 pessoas, é verdade, mas que foram surpreendidas enquanto circulavam nas amplas áreas entre um acampamento judaico e outro, estrategicamente criados para alargar o território "natural" israelense.
Do lado palestino, em meados da década de 40, o número de vítimas fatais já era de 1500, muitas delas civis, atacadas a esmo.
A ONU, por sua vez, recém-criada e sem experiência em intermediação de conflitos, fez um de seus lamentáveis papéis com a resolução 181, de novembro de 1947, que dividiu de forma bastante desproporcional o território em contenda para a formação dos dois estados, o israelense e o palestino.
A medida foi uma exagerada concessão aos sionistas, que ficariam com 56% de uma área com cerca de meio milhão de judeus e 438 mil palestinos, enquanto a nação palestina ficaria com 42% do território, englobando 818 mil palestinos e apenas 10 mil judeus.
Ou seja, a tática sionista de montar vilas muito afastadas umas das outras, para fazer com que a ONU lhe concedesse a área que ficasse entre elas, dera certo.
Com isso, os árabes, que queriam mais tempo de análise da realidade populacional, retiraram-se da mesa de negociações.
Os judeus radicais, embora tivessem ganhado de presente uma área maior que a que seria razoável, vibraram com essa saída árabe, e na verdade só aceitaram ficar com os 56% porque tinha a esperança, a intenção, de expandir ainda mais suas fronteiras no futuro não muito distante – Ben-Gurion:... As fronteiras "serão determinadas pela força, e não pela resolução" das Nações Unidas.
Durante as ações de tropas israelenses contra vilas palestinas, a ONU preferiu cruzar os braços, apesar dos constantes alertas de seus funcionários na região, de que os palestinos estavam sendo expulsos de suas casas "por força ou ameaça".
Preferiu dar crédito ao embaixador de Israel na organização, Abba Eban, que reconheceu que os refugiados eram um "problema humano", mas da responsabilidade de ninguém em especial.
Também por conta do lobby israelense, as Nações Unidas, na época, criaram um corpo exclusivo para lidar com os refugiados palestinos, ao invés de empregarem a Organização Internacional para Refugiados, a mesma que prestava assistência aos sobreviventes judeus do Holocausto, o que poderia levar a opinião pública a comparar a violência israelense com a nazista, verdadeiro sacrilégio.

Voltar ao início desta página


A guerra suja

No final da década de 30, a liderança judaica já havia levantado fartas e minuciosas informações sobre as terras e o povo palestino dentro da área que planejava incorporar a uma "Grande Israel".
Esse banco de dados seria usado quando da limpeza étnica, que foi mais intensa nos meses do final de 47 e início de 48.
"Quando a missão acabou", escreve Ilan Pappe, "mais da metade da população palestina nativa, próxima de 800 mil pessoas, havia sido desabrigada, 531 vilas destruídas, e sete áreas urbanas esvaziadas".
Um exemplo típico do modus operandi do terror israelense pode ser encontrado ao analisar o caso da localidade de Kishas:
"Kishas era uma pequena vila com umas poucas centenas de muçulmanos e uma centena de cristãos, que viviam pacificamente em uma única localidade topográfica (...) Tropas judaicas atacaram a vila em 18 de dezembro de 1947, e começaram a explodir casas ao acaso na calada da noite, enquanto os ocupantes ainda estavam em sono profundo. Quinze moradores, incluindo cinco crianças, morreram no ataque. O incidente chocou o correspondente do New York Times, que acompanhou de perto o desenrolar dos eventos. Ele pediu uma explicação à Haganá - uma das facções mais violentas do movimento sionista - que primeiro negou a operação. Quando o insistente repórter não deixou passar, ela finalmente admitiu sua existência. Ben-Gurion publicou um dramático pedido de desculpas, defendendo que a ação não havia sido autorizada, mas, poucos meses depois, em abril, ele a incluiu numa lista de ações bem sucedidas." - (p. 57 - The Ethnic Cleansing of Palestine).
O leitor de The Ethnic Cleansing of Palestine ficará surpreso ao perceber a espantosa semelhança entre as ações violentas de Israel de hoje com aqueles da década de 1940.
Se tínhamos então a presença do militante sionista fanático que explode bombas no meio de populações civis, mesmo expediente usado hoje por extremistas árabes, que se permitem explodir junto com a bomba, veremos também como surgiu a defesa de retaliações militares desmedidas e imorais ante qualquer provocação ou demonstração de resistência.
Ben-Gurion, sempre ele, registrou certa vez em seu diário as seguintes palavras:
"Há agora a necessidade de uma reação forte e brutal. Precisamos ser precisos quanto ao tempo, lugar e quanto àqueles que atingimos. Se acusamos uma família, temos que atingi-la sem piedade, mulheres e crianças incluídas. De outra forma, não será uma reação efetiva. Durante a operação não há necessidade de distinção entre culpados e não-culpados." - (p. 69 - T.E.C. of P.).
É sempre bom citar as pérolas de Ben-Gurion, não por malícia, mas porque assim se desfaz um outro mito, o de que os excessos israelenses foram a exceção, atos condenados pelos bem-intencionados líderes do movimento de "independência". Não, os atos sórdidos foram a regra, idealizada, programada e executada com o total aval dos chefes militares e políticos.

Voltar ao início desta página


Ontem e hoje

Alguém em nossos dias que limite seu conhecimento do que acontece no planeta às seções de Mundo dos jornalhões vai achar que a invasão do Iraque pelos Estados Unidos de George W. Bush em 2003 teve de fato a ver com os ataques de 11 de Setembro de 2001.
Pensará também que o bombardeio indiscriminado de áreas habitadas no sul do Líbano por parte de Israel, em 2006, teve mesmo a ver com o sequestro de dois oficiais de seu exército por um grupo terrorista. O ambicioso sonho em anexar a parte sul do Líbano à "Grande Israel" concretiza-se em atos de agressão direta desde 2001, 1982, 1981, 1978, 1948.
Do mesmo modo, massacres como os do campo de refugiados de Jenin, há seis anos, têm precedentes nos de Wadi Ara em 2000, Kfar Qana em 99, Sabra e Shatila em 82 (no qual Ariel Sharon teve grande participação), Galiléia em 76, Samoa nos anos 60, Qibya e Kfar Qassim nos 50, e nos de Khirbat Ilin e Hebron na década de 40.
Está tudo documentado nos arquivos militares israelenses explorados por estudiosos palestinos e, claro, por Ilan Pappe.
Esses não são os únicos links com o passado que o historiador israelense traça em seu indispensável livro.
A impunidade que mantém em seus postos militares culpados de crimes de guerra, quando não os promove, é uma realidade, agora e sempre.
Há um caso horrível, mas exemplar, como confirmou na edição de 29 de outubro de 2003 o diário israelense Ha'aretz, baseado na confissão dos próprios perpetradores, a imprensa israelense costuma ser muito mais crítica de seus governos do que o são os jornais ocidentais para com os mesmos: "... em 12 de agosto de 1949 um comando militar israelense raptou, na localidade de Nigev (hoje, no norte da Faixa de Gaza), uma garota palestina de doze anos de idade. Durante os dias seguintes, ela seria torturada e violentada por vinte e dois soldados e, finalmente, morta. A Corte instalada para fazer justiça aplicou uma sentença duríssima a um dos vinte e dois criminosos: dois anos de prisão."
O racismo também permanece latente em meios influentes da sociedade israelense.
Há uma angustiante preocupação dos líderes israelenses nacionais em relação ao "problema demográfico" do país, é cada vez mais alta a porcentagem de árabes em relação ao número de judeus, empecilho seriíssimo a um Israel puro, ou seja, majoritária ou exclusivamente judaico.
Esse "problema demográfico" às vezes chega mesmo a ser referido como uma "ameaça demográfica", e é aí que os habitantes não-judeus de Israel começam a realmente ficar preocupados com seu futuro, que não exclui uma nova limpeza étnica, abertamente defendida por partidos como o do radical Avigdor Liberman, que qualquer ano desses ganha uma eleição presidencial.
E não custa lembrar que em 2003 o Knesset, parlamento da nação que se gaba de ser "a única democracia da região", aprovou uma medida abertamente discriminatória, proibindo um palestino ou palestina de conseguir cidadania ou residência no país ao casar-se com um judeu ou uma judia.
Há ainda o caso do eterno drama da repatriação dos palestinos expulsos de suas casas, em seguida demolidas ou queimadas, não sem antes ter os bens devidamente saqueados para prover uma base material para os judeus vindos da Europa pós-guerra.
É claro que, sob o ponto de vista israelense, a origem do estado de coisas atuais está no ano de 1967, quando, segundo a história oficial, o país foi obrigado a partir para a ofensiva e conquistar territórios palestino, sírio, egípcio e jordaniano puramente para se defender do nascente movimento de resistência palestina.
Negando assim os crimes de 48, Israel sequer aceita discutir a repatriação, condição sine qua non para os palestinos – e também para a ONU, cuja Assembléia Geral assim decidiu em dezembro de 1948, no que foi solenemente ignorada pelas autoridades israelenses.
A cada dia que passa, fica mais difícil para a comunidade internacional montar um grande plano de retorno dos refugiados e seus descendentes, se é que o mundo ainda tem algum interesse nessa matéria.
É que, como parte do racismo que quer um estado judeu e ponto final, vilas e sítios de grande valor cultural e religioso para os nativos muçulmanos têm sido sistematicamente destruídos para dar lugar a assentamentos judeus ou, quando não, serem transformados em "florestas naturais".
Assim, as novas gerações de israelenses aprendem que esses são lugares sagrados e ancestrais... da cultura hebraica – um expediente que faria inveja aos responsáveis por apagar o passado na ditadura criada por George Orwell em 1984.
E então, há os "processos de paz".
Nos últimos capítulos de The ethnic cleansing of Palestine, há impagáveis páginas sobre esses processos, criados nos gabinetes do governo israelense e apresentados, sem ouvir o outro lado, à comunidade internacional (EUA, Inglaterra e União Européia), que prontamente os aceita, virando-se em seguida para os palestinos, na espera de que eles demonstrem alguma boa vontade.
Mas a respeito da seriedade de medidas como a retirada de assentamentos judaicos na Faixa de Gaza, ordenada pelo fanfarrão Ariel Sharon em 2005, basta citar o que dissera um ano antes o seu porta-voz Dov Weissglas ao jornal Ha'aretz:
"O significado do plano de retirada é o congelamento do processo de paz. E quando você congela aquele processo, você evita a criação de um estado palestino, e evita a discussão sobre os refugiados, as fronteiras e Jerusalém. Efetivamente, todo esse pacote chamado estado palestino, com tudo o que ele requer, foi indefinidamente removido de nossa agenda."

Daniel Lopes é estudante de jornalismo e colunista do site Digestivo Cultural.
Blog: www.danielslopes.com

Voltar ao início desta página


Bancarrota dos Estados Unidos?

Sua visão do mundo JAMAIS será a mesma depois destes filme!

Legendas em português: http://video.google.com/videoplay?docid=-2282183016528882906

Adendo: http://www.zeitgeistmovie.com/add_portug.htm

Original version: http://video.google.com/videoplay?docid=-594683847743189197

Addendum: http://video.google.com/videoplay?docid=7065205277695921912

Veja também o site Zeitgeist: http://www.zeitgeistmovie.com/

Visite o site http://halturnershow.blogspot.com/

Assista ao vídeo de Hal Turner em http://video.google.com:80/videoplay?docid=1954933468700958565&hl=es

Golpe estadunidense: O Amero é somente uma parte do grande golpe que os Estados Unidos planejaram! Escute este comunicado feito pelo então presidente Bush (pai) em 11 de setembro de 1991. Isso mesmo: 11 de setembro! Veja o vídeo em http://www.youtube.com:80/watch?v=Rc7i0wCFf8g

O plano do chip de controle da população via satélite já é realidade mundial... Planejado por quem? Veja o vídeo em http://www.youtube.com:80/watch?v=4PpMdTmVMpo&feature=related e também em http://www.youtube.com:80/watch?v=aVbHiWm4EOU&NR=1

Saiba mais sobre o golpe do Amero: http://www.youtube.com/watch?v=6hiPrsc9g98

QUEM PAGA A CONTA? CONFIRA: http://video.google.com:80/videoplay?docid=-7568664880564855303

Pelo menos o Brasil está mais preparado para a crise mundial e ainda tem capacidade para prover o mundo no futuro. Temos petróleo, gás, álcool, biodiesel e hidroelétricas nacionais. Não compramos nada em petrodólares. A crise energética mundial não é uma crise intransponível para o Brasil. A riqueza norte-americana é artificial e está pintada em papel (os dólares). A verdadeira riqueza brasileira não está pintada em papel, mas nas reservas minerais, na produção agrícola e na pecuária. Isto torna o Brasil praticamente imune à bancarrota financeira mundial. Commodities são reais. Dólares são virtuais.

Comentários de Tanios Hamzo

Blog do Bourdoukan

Voltar ao início desta página


Nazi-sionismo Eis a medalha da aliança

Blog do Bourdoukan

Já escrevi mais de uma dezena de artigos alertando que o pior inimigo do judaísmo é o sionismo. Já escrevi também dizendo que foi graças aos acordos entre sionistas e nazistas é que teriam surgido os campos de concentração. E que a colaboração entre nazistas e sionistas atingiu tamanho grau de cumplicidade que até uma medalha foi criada para comemorar a ida à Palestina do enviado da SS nazista Baron Leopold Itz Edler von Mildenstein e de Kurt Tuchler, um dos líderes da Federação Sionista Alemã. De um lado dessa medalha havia a Estrela de Davi e do outro a Suástica. É claro que não foram poucas as ameaças recebidas, sempre acompanhadas de adjetivos que a boa educação não permite sua publicação. É inconcebível, me diziam, que sionistas e nazistas realizassem acordos, e muito menos medalhas comemorativas. Pois ao contrário do que pensam esses que só conhecem história através do cinema e da televisão, sionistas e nazistas eram, e continuam sendo, irmãos siameses. E os israelianos (governantes arianos de Israel), comprovam. Transformaram Israel num posto militar avançado a serviço do imperialismo; construíram o muro do apartheid; e possuem o maior campo de concentração do mundo onde estão confinados mais de três milhões e meio de semitas palestinos. Aos interessados, principalmente historiadores, sugiro a leitura dos sites anexados. E também, neste blog, carta aberta assinada por Albert Einstein e Hannah Arendt, além de outros intelectuais, protestando contra a visita de Béguin aos Estados Unidos e o nazi-fascismo em Israel.

Voltar ao início desta página

Carta de Michael Moore ao povo dos EUA

No último dia 27 de novembro, o cineasta Michael Moore publicou, em sua página na internet ( http://www.michaelmoore.com ), uma carta dirigida ao Congresso e ao povo dos Estados Unidos. Nela, ele defende, entre outras coisas, que "a única coisa a fazer é cair fora do Iraque". Além de exigir a retirada total e imediata das tropas americanas de ocupação do Iraque, Moore também defende que o país árabe seja indenizado pela ocupação. Leia abaixo a íntegra da carta. "Amigos, Hoje (27/11) marca o dia em que permanecemos no Iraque mais tempo que aquele que levamos para combater na Segunda Guerra Mundial. É isso mesmo. Nós fomos competentes para derrotar a Alemanha Nazista, Mussolini e o Império Japonês inteiro em menos tempo que a única superpotência mundial gastou para tentar tornar segura a estrada que liga o aeroporto de Bagdá ao centro da cidade. E nós não conseguimos fazer isso. Após 1.437 dias, no mesmo tempo que levamos para irromper pela África do Norte, conquistar as praias da Itália, conquistar o Pacífico Sul e libertar toda a Europa Ocidental, nós não pudemos, após 3 anos e meio, conquistar sequer uma simples estrada e proteger a nós mesmos de bombas caseiras, feita de latinhas, colocadas em buracos nas rodovias. Sem contar que uma viagem de táxi do aeroporto até Bagdá, de 25 minutos, custa 35 mil dólares e o motorista não te dá sequer um mísero capacete para sua proteção. A culpa desse fracasso se deve a nossas tropas? Dificilmente. Não importa o quanto de tropas, de helicópteros ou de democracias nós cuspamos das nossas armas, nada irá "vencer a guerra no Iraque". Ela é uma guerra perdida. Perdida porque jamais teve o direito de ser vencida, perdida porque começou por homens que jamais estiveram em uma guerra, homens que se escondem atrás daqueles que foram enviados para lutar e morrer... Vamos ouvir o que o povo iraquiano está dizendo, de acordo com uma pesquisa recente feita pela Universidade de Martland: - 71% de todos os iraquianos querem os EUA fora do Iraque. - 61% de todos os iraquianos apóiam os ataques da resistência contra as tropas americanas. Sim, a vasta maioria dos cidadãos iraquianos acha que nossos soldados devem ser mortos e massacrados! Então, o que diabos nós ainda estamos fazendo lá? Vamos interpretar como se não tivéssemos compreendido a deixa? Existem diversos modos de libertar um país. Frequentemente os cidadãos se rebelam e se libertam a si próprios. Foi assim que nós fizemos. E você também pode fazer isso de modo não violento, usando a desobediência civil. Foi assim que a Índia fez. Você pode também fazer com que o mundo inteiro boicote o regime de um país até que ele caia no ostracismo e capitule. Foi isso que aconteceu com a África do Sul. Ou, você pode simplesmente esperar que eles cansem e caiam fora, cedo ou tarde, como as legiões do rei fizeram (Algumas só porque estavam com muito frio). Isso aconteceu no vizinho Canadá. O único modo que não funciona é invadir um país e dizer a seu povo "Estamos aqui para libertar vocês", enquanto eles não faziam nada para libertar-se. Onde estavam todos esses homens suicidas enquanto Saddam Hussein oprimia o povo? Onde estavam os "insurgentes" que plantam bombas nas estradas quando o comboio do maligno Saddam Hussein passeava por elas? E acho que o velho Saddam era um déspota cruel - mas não tão cruel a ponto de milhares arriscarem seus pescoços contra ele. "Ah não Mike, eles não podiam fazer isso! Saddam os mataria!" Sério? Você acha que o rei George não mataria quem se insurgisse contra ele? Você acha que Patrick Henry e Tom Paine tinham medo? Isso não os impediu de lutar. Quando dezenas de milhares de pessoas não têm a inclinação de sair às ruas e derramar seu sangue para remover um ditador, isso deve servir como uma boa pista de que eles não estão desejando participar de alguma libertação promovida de fora. Uma nação pode ajudar outro povo a remover um tirano (Foi o que os franceses fizeram por nós em nossa revolução), mas depois disso, você cai fora. Imediatamente! Os franceses não ficaram e nos disseram como deveríamos constituir nosso governo. Eles não disseram "não estamos indo embora porque nós queremos os seus recursos naturais". Eles nos deixaram à nossa própria sorte e nós levamos seis anos para fazer uma eleição depois da partida deles. E daí teve uma sangrenta guerra civil. Isso foi o que aconteceu e a História está cheia desses exemplos. Os franceses não disseram: "Oh, é melhor ficar na América, de outro modo eles vão se matar uns aos outros discutindo essa história de escravagismo". O único caminho que leva uma guerra de libertação ao sucesso é ter por trás dela o apoio de seus próprios cidadãos - e um numeroso grupo de Washingtons, Jeffersons, Franklins, Gandhis e Mandelas liderando a insurreição. Onde estão esses faróis da liberdade no Iraque? Essa é uma piada e tem sido uma piada desde o início. Sim, nós éramos a piada, mas com 655.000 iraquianos mortos como resultado da nossa invasão - segundo a Universidade John Hopkins - eu acho que a piada de mau gosto agora é deles. Pelo menos eles foram libertados, permanentemente. Por isso não quero ouvir nenhuma outra palavra sobre enviar ainda mais tropas (acorda Estados Unidos, John McCain está maluco!), ou sobre "realocá-las", ou esperar mais quatro meses para começar a "vencer o prazo" delas. Só existe uma única solução e ela é simples: retirada! Agora. Comecem hoje à noite. Vamos cair fora de lá o mais rápido que pudermos. Quanto mais pessoas de boa vontade e consciência não quiserem acreditar nisso, quanto mais mortes nós teremos para aceitar a derrota, nada poderemos fazer para reparar o dano que cometemos. O que aconteceu, aconteceu. Se você dirigiu bêbado, atropelou e matou uma criança, não haverá nada no mundo que você possa fazer para devolver a vida àquela criança. Se você invadiu e destruiu um país, lançando o povo a uma guerra civil, não há nada que você possa fazer até que a fumaça dissipe e o sangue derramado seque. Então, talvez, você possa acordar e ver a atrocidade que cometeu e depois ajudar os sobreviventes a tentar melhorar suas vidas. A União Soviética caiu fora do Afeganistão em 36 semanas. Saíram assim e tiveram perdas pesadas na retirada. Eles compreenderam o erro que cometeram e removeram suas tropas. Depois, veio uma guerra civil. Os maus venceram. Mais tarde, nós derrubamos os maus e tudo viveu melhor depois disso. Veja! No fim, a coisa funciona! A responsabilidade pelo fim dessa guerra cabe agora aos democratas. O Congresso puxa as cordinhas e a Constituição diz que só o Congresso pode declarar a guerra. O senhor Reid e a senhora Nancy Pelosi têm agora o poder para colocar um fim a essa loucura. Se fracassarem nisso, a ira dos eleitores recairá sobre eles. Nós não estamos brincando senhores democratas e se vocês não acreditam em nós, toquem em frente e continuem essa guerra por outro mês. Nós lutaremos contra vocês ainda mais forte que fizemos contra os republicanos. A página de abertura de meu site na Internet tem uma foto de Nancy Pelosi e Henry Reid, feitas a partir de fotos de soldados americanos que morreram lutando a Guerra de Bush. Mas que será a partir de agora a Guerra de Bush contra os Democratas, a menos que alguma outra rápida ação seja tomada. Essas são nossas exigências:

  1. Tragam as tropas para casa já! Não em seis meses. Agora! Deixem de procurar um meio de vencer. Nós não podemos vencer. Nós perdemos. Às vezes se perde. Essa é uma dessas vezes. Sejam corajosos e admitam isso.

  2. Peçam desculpas a nossos soldados e façam melhor. Digam a eles que nos desculpem porque eles foram usados para lutar uma guerra que não tinha nada a ver com a nossa segurança nacional. Nós precisamos assegurar que cuidaremos deles e que eles sofrerão o mínimo possível. Os soldados incapacitados física e psicologicamente receberão os melhores cuidados e uma compensação financeira significante. As famílias dos soldados que morreram merecem as maiores desculpas e precisam ser cuidadas para o resto das suas vidas.

  3. Devemos nos expiar das atrocidades que perpetramos contra o povo do Iraque. Há poucos males piores que fazer a guerra baseados em uma mentira, invadir outro país porque você quer o que é deles e que está enterrado no solo. Agora muitos mais irão morrer. Seu sangue estará em nossas mãos, não interessa em quem votamos. Se você paga impostos, contribuiu para os 3 bilhões de dólares por semana que gastamos para levar o Iraque para o Inferno onde está o país agora. Quando a guerra civil tiver terminado, nós deveremos ajudar a reconstruir o Iraque. Nós não podemos nos redimir se não fizermos isso.

Por último, há uma coisa que eu sei. Nós, americanos, somos melhores do que as coisas que fizeram em nosso nome. A maioria de nós ficou estarrecida e zangada com o que aconteceu em 11 de setembro e perdeu a cabeça. Nós não pensamos direito e jamais olhamos um mapa. Porque somos mantidos na estupidez graças ao nosso sistema patético de educação e à nossa mídia preguiçosa, não sabemos nada de História. Nós não sabemos que somos as caras que financiaram e armaram Saddam Hussein por muitos anos, inclusive quando ele massacrou os curdos. Ele era o nosso cara. Nós não sabíamos o que era um sunita ou um xiita, sequer havíamos escutado essas palavras. De acordo com o National Geographic, 80% dos adultos do nosso país não sabem localizar o Iraque no globo terrestre. Nossos líderes jogaram com nossa estupidez, nos manipularam com suas mentiras e nos amedrontaram até a morte. Mas, no fundo, somos um povo de bom coração. Aprendemos devagar, mas a bandeira de "missão cumprida" nos atingiu de modo ímpar e cedo começamos a fazer algumas perguntas. Depois, começamos a ficar espertos. No último dia 7 de novembro, nós ficamos loucos e tentamos consertar nossos erros. A maioria agora conhece a verdade. A maioria agora sente uma tristeza e culpa profundas e uma esperança de qualquer coisa que seja feita, será melhor e colocará tudo nos eixos. Infelizmente, não é assim. Então precisamos aceitar as consequências de nossas ações e fazer o melhor para que o povo iraquiano possa até pensar em pedir auxílio a nós no futuro. Pedimos a eles que nos perdoem. Pedimos aos democratas que nos escutem e que saiamos do Iraque agora! Do seu, Michael Moore".

http://www.michaelmoore.com

As Nações Unidas são, pela sua falta de poder em manter a paz no mundo e pela sua falta de decisão, vergonhosamente cúmplices do Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, no assassinato de civis libaneses e na total destruição do Líbano. O objetivo desta página e dos sites correlatos é mostrar que a existência da Organização das Nações Unidas é uma vergonha mundial.
  • Baixe trabalhos artísticos (DOWNLOADS)
  • Leia e comente nosso BLOG
  • Veja FOTOS de cortar o coração
  • Entre em CONTATO e envie suas ideias

Veja quais são as 70 (isso mesmo: SETENTA!) resoluções da ONU contra o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos. É desnecessário dizer que o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, NUNCA respeitou NENHUMA delas... A ONU sempre foi ignorada pelo Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos. Envie este link a todas as pessoas interessadas: http://www.theuncampaign.org/un-resolutions.html

Tanios Hamzo

TOLERAR O INTOLERÁVEL É TORNAR-SE CÚMPLICE

Marta Guerra - Jornalista - DRT 297-RN

É verdade que o mundo tornou-se insensível às tragédias humanas.
A distância entre nosso Eu anestesiado pela avalanche de informações, pelo consumismo e pelo comodismo e aquele Outro que sofre exclusão, fome e miséria funciona como um escudo que protege nossa sensibilidade da dor por algo que julgamos fora do nosso alcance resolver.
Até certo ponto, isto é um mecanismo de defesa da Vida, porque ela quer viver, apesar de tudo o que conspira contra ela.
Contudo, há coisas cuja magnitude provoca a penetração para além desse escudo e, se ainda nos resta alguma sensibilidade, exige uma tomada de posição.
Porque se o nosso egoísmo nos impede desta tomada de posição, nos impede também de ter dignidade, considerada por Kant como o diferencial dos seres humanos face às outras espécies animais.
A presente situação do Líbano é paradigmática disto.
A assimetria de forças e de tecnologia nesta guerra (não digo injusta, porque seria um pleonasmo; não existem guerras justas) que sob o pretexto de deter o Hezbollah está destruindo toda a infra-estrutura de um pequeno país menor que o Estado de Sergipe e a indiferença do mundo aos efeitos colaterais representados pela morte e pelo êxodo de centenas de civis inocentes, como que legitima a barbárie e o retrocesso da nossa humanidade.
O bombardeio do 30 de julho que destruiu um prédio de quatro andares em Canaã que abrigava refugiados na sua maioria mulheres e crianças deve ser este ponto de não retorno para que nos posicionemos ante a barbárie, quando mais não seja, porque se a legitimarmos amanhã poderemos ser suas vítimas.
É fora de dúvida que o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, tem o legítimo direito de defesa.
Mas este direito só deve ser exercido dentro de certos limites e sobretudo guardar proporcionalidade com o ataque sofrido.
Se o que aquele Estado deseja é a entrega dos dois soldados capturados numa operação militar pelo Hezbollah com o objetivo de troca de prisioneiros, é evidente a desproporcionalidade de destruir todo um país e matar (até agora) mais de 700 civis para conseguir de volta esses dois soldados.
Esta desproporcionalidade é por si mesma reveladora de que este pretexto não é o móbile da guerra, mas de que ela está ligada a objetivos maiores, como diz Bush, conectados a outros interesses.
Continuo acreditando que a situação do Oriente Médio só se resolverá SE, e QUANDO, potências estrangeiras alheias ao conflito deixarem de tirar proveito da situação em benefício próprio e às custas de vidas que consideram insignificantes.
Em segundo lugar, SE, e QUANDO, todas as partes envolvidas aceitarem um diálogo franco e sobretudo verdadeiro através do qual cada parte reconheça seus erros e aja concretamente de modo a redimi-los.
A destruição do Líbano ocorre justamente quando o Hezbollah, o Hamas e o Fatah haviam se mostrado dispostos a reconhecer ao Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos o seu direito de existir legitimamente, em troca da paz e da demarcação do território palestino como previsto na resolução n° 181 da ONU que em 1948 criou o Estado de Israel, destinando-lhe 56% do território Palestino e reservando 44% desse mesmo território para a criação do Estado Palestino.
Estamos em 2006, o Estado Palestino ainda não existe sequer informalmente e pior: a sua área foi reduzida a cerca de 20% da partilha original por força das anexações unilaterais praticadas pelo Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos.
Evidentemente, os próprios palestinos já reconhecem que terão de fazer concessões sobre estes territórios ocupados, mas exigem que isto faça parte de negociações diplomáticas bilaterais e não que seja imposto pela força.
É esta a reivindicação do Hamas e do Fatah, e ainda que enquanto pacifistas possamos discordar dos seus métodos não podemos deixar de reconhecer a justiça do seu pleito.
Quanto ao Hezbollah, ele reivindica apenas a integridade do território libanês e a sua soberania.
É por isso que não existem homens-bomba do Hezbollah nem ações dessa organização contra civis fora do território libanês.
Fora do Líbano há apenas incursões militares que objetivam resgatar libaneses feitos prisioneiros ou liberar as fazendas de Chebaa, no sul do país, ainda na posse do Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos.
Vale lembrar que da Resolução 273/49 que acolheu o Estado de Israel como membro da ONU faz parte o seguinte: "... decide que Israel é um Estado amante da paz, que aceita as obrigações contidas na Carta e está capaz e desejoso de cumprir essas obrigações."
Evidentemente, entre estas obrigações não se encontra a destruição de um país vizinho nem o massacre de seus habitantes.
É interessante recordar também que Hitler chamava de terroristas os partisans que resistiam à ocupação nazista da Itália e da França.
Embora pintados como terroristas, os combatentes do Hezbollah são na realidade patriotas que defendem seu já exíguo território, cuja culpa é somente a de ser uma das regiões mais férteis e mais bonitas do Oriente Médio.
Além disso, o Hezbollah é também um partido político que integra legitimamente a coalizão que governa o Líbano, sendo responsável por ações sociais no sul daquele país como a criação e a manutenção de escolas e de hospitais.
É por esta razão que conta com o apoio da população por eles beneficiada, sendo um grave erro de cálculo da inteligência militar supor que culpar o Hezbollah pelo flagelo do Líbano iria fazer a população libanesa voltar-se contra ele.
O filósofo francês Michel Foucault diz que as relações de poder não se estabelecem sem a produção, a acumulação, a circulação e o funcionamento de discursos apresentados como verdadeiros.
Diz também que a suposta verdade desses discursos é orientada pela vontade de verdade que distorce a realidade para adequá-la ao fim pretendido.
Nessa questão do Oriente Médio isto pode ser observado de modo cristalino, pois são os interesses que orientam a imposição de um novo Oriente Médio segundo um desenho e objetivos traçados em confortáveis gabinetes de empresas e governos estrangeiros que usam as populações e as forças armadas daquela região como peças de um sangrento jogo de xadrez, para ditarem as regras sujas de um jogo no qual sequer aparecem, muito menos se colocam na mira das armas químicas jogadas no Líbano ou dos katiushas atirados sobre os territórios ilegalmente ocupados pelo Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos.
É essa vontade de verdade que transforma patriotas em terroristas e vítimas em culpados, colocando a verdade ao lado da desrazão e da brutalidade e a razão ao lado da fantasia e da maldade.
Esta situação denuncia a patética impotência da ONU frente aos interesses da globalização e exige dos seres humanos que conservam um mínimo de dignidade que se posicionem e façam o que estiver ao seu alcance para denunciar a injustiça desse estado de coisas, exigindo um cessar-fogo imediato e incondicional como condição de possibilidade para qualquer negociação.
Porque se não fizermos isto, além de ajudarmos a enfraquecer e deslegitimar a ONU estaremos também sendo cúmplices da barbárie.
Porque, como ensina Comte-Sponville, "Tolerar o sofrimento dos outros, tolerar a injustiça de que não somos vítimas, tolerar o horror que nos poupa não é mais tolerância: é egoísmo, é indiferença, ou pior.

Tolerar Hitler era ser seu cúmplice, pelo menos por omissão, por abandono, e essa tolerância era já colaboração."

Domingo, 30 de julho de 2006, dia do massacre de Canaã.


Em nome da paz...

Por Murilo Dias Cesar murilodiascesar@uol.com.br

CAROS AMIGOS:

Recebi mais de duas dezenas de e-mails, criticando matéria que inseri recentemente no INFORMATIVO CULTURAL e no FÓRUM TEATRO sobre o massacre do povo libanês pelo Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos. Alguns "emailistas" criticaram (o que é muito positivo) a minha posição, outros me apodaram com algumas expressões que, "muito nos antigamentes", eram classificadas como "de baixo calão"... Refleti muito sobre as mencionadas expressões de "baixo calão" e resolvi proceder a uma mudança radical de opinião, "virando casaca", também como se dizia "muito nos antigamentes". Dentro dessa nova e repentina mudança de linha, declaro em alto e bom som que o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos está muito certo, tem infinitas razões, inclusive e principalmente humanitárias, de bombardear o Líbano - e terão também mais razões ainda quando, com aviões e armamento americanos, bombardearem "fraternalmente e em nome da paz" outros países, com o nada enrustido aplauso de Bush.

Seguem os motivos de minha brusca e repentina mudança de opinião:

  1. Desde o século XIX, grandes pensadores de alto nível intelectual e financeiro, especialmente financeiro, proclamam que um dos grandes problemas da humanidade é o crescimento excessivo da população mundial. Em palavras mais prosaicas: o povo "tem relaçõe sexuais" demais e superlota cidades, metrôs, igrejas, shoppings, praias, etc. Um tal de Malthus, pastor anglicano, "provou cientificamente" que as guerras contribuem positivamente para a solução ou, pelo menos, para minorar esse problema da superpopulação. Ora, o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, tomou ao pé da letra a tese malthusiana, adaptou-a para os tempos atuais e a está pondo em prática, massacrando o povo liba... Quer dizer, dando uma importante contribuindo para a redução da população mundial.

  2. Os humanitários bombardeios israelenses proporcionaram uma sadia mudança de hábitos a mais de 500 mil pessoas (um quarto da população libanesa), que estão fugindo das zonas em que o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, está bombardeando covardemente. Esse pessoal todo, em vez de permanecer no aconchego de seus lares, assistindo do sofá de suas casas pela tevê os ratinhos, sílvios santos, faustãos e gugus daquelas paragens, ou seja, levando vida sedentária (e adquirindo muitos males e até doenças decorrentes do sedentarismo) está agora fazendo longas e saudáveis caminhadas... Essa nova forma de vida só foi possível após centenas de milhares de libaneses terem perdido suas casas, lares, lojas, indústrias, igrejas, escolas, hospitais, hoje transformados em escombros. Certamente essa multidão - que tende a aumentar com o aumento dos bombardeios humanitários israelenses - ficará em excelente e sadia forma física...

  3. Os bombardeios israelenses, em legítima defesa da paz, mataram (por enquanto) apenas 7 (sete) brasileiros. Um número ínfimo de compatriotas nossos... Um porta-voz qualquer do Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos ou então um "release", amanhã ou depois, irá pedir desculpas ao governo brasileiro e certamente contará com a devida compreensão dos familiares desses 7 (sete) brasileiros "eliminados fisicamente" em nome da segurança, da paz e do combate ao terrorismo.

  4. O Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, hoje está dando significativa e imprescindível contribuição para o progresso científico e tecnológico da humanidade, massacrando o povo libanês com bombas americanas de última geração. Mais: estão contribuindo também para fazer com que o fantasma do desemprego desapareça da indústria armamentista estadunidense.

  5. Os bombardeios israelenses são absolutamente democráticos, já que não fazem qualquer distinção de sexo, idade, profissão, estado civil, religião, etc. das populações libanesas e dos estrangeiros que estão naquele país. Todo mundo é sadiamente bombardeado / massacrado, sem preconceitos...

  6. Além de lares, casas, lojas, hospitais, igrejas, escolas, animais, seres humanos, etc., os aviões israelenses estão agora (noticiário de hoje) lançando as mencionadas bombas "inteligentes" americanas (essas que quando caem no solo lançam estilhaços e microbombas em quem tem o azar de estar por perto) também em cemitérios... Não é mesmo um troço originalíssimo? É a total "ausência de preconceitos" que atinge seus limites extremos: até defuntos entram na onda dos "democráticos bombardeios israelenses"...

  7. Quando, durante a Segunda Guerra Mundial, os alemães conquistavam um país e um figurão nazista era morto por um guerrilheiro, o exército nazista fuzilava, em média, vinte ou, no máximo, trinta civis. O Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, ganha de goleada essa modalidade de competição: para cada israelense morto, os neonazistas israelenses massacram covardemente, via aérea e terrestre, populações libanesas inteiras e não uma merreca de vinte ou trinta civis...

  8. A "nossa" mídia publica: O EXÉRCITO ISRAELENSE ORIENTA 300 MIL LIBANESES A SE RETIRAREM DAS REGIÕES QUE VÃO BOMBARDEAR... Traduzindo: o exército israelense, preocupado com o bem-estar dos libaneses, "orienta": amigos libaneses para que saiam de suas casas, de seus lares, de suas lojas, de suas propriedades, de seus hospitais, de suas escolas, etc., que a gente, muito a contragosto, vai ter que bombardear tudo, tudinho. Ou seja, avisam primeiro e bombardeiam depois... Como são humanitários, bonzinhos... Ao contrário dos nazistas que sequer avisavam o pessoal dos países que conquistavam para se retirar e mandavam bala...

  9. É curioso que o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos e boa parte da comunidade judaica derramam caudalosos rios de lágrimas por causa do HOLOCAUSTO, que realmente ocorreu, holocausto de que, a bem da verdade, foram vítimas também outros povos: russos, poloneses, belgas, gregos, etc. e não apenas os judeus. Uma das ironias da história: O Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, agora "fabrica" covardemente um verdadeiro HOLOCAUSTO DO POVO LIBANÊS. Graças aos israelenses, as gerações libanesas futuras poderão também se orgulhar de terem tido também seu próprio HOLOCAUSTO...

  10. Claro que o governo Bush, pelo menos nesse conflito, é absolutamente imparcial e, como provou ao invadir o Iraque para livrar o mundo das "armas de destruição em massa", é a favor da paz universal. Por isso mesmo, seus representantes no Conselho de Segurança da ONU estão vetando qualquer resolução que exija o cessar fogo imediato das hostilidades... Afinal, para que tanta pressa em acabar com o conflito?

Brecht dizia que a história é irônica e cruel: em determinado momento um povo é vítima - noutro, é carrasco. A ação genocida e terrorista do Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, prova que Brecht, mais uma vez, tinha razão: Está na lembrança de todos nós o quanto o povo judeu sofreu vítima dos Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial e hoje é o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, que está "brindando" o mundo, via mídia, em especial pela TV, com uma das maiores ironias e crueldades da história...

Murilo D. César

Tanios Hamzo

Voltar ao início desta página


MANIFESTO EM DEFESA DA CONVIVÊNCIA INTERNACIONAL PACÍFICA

Em relação aos recentes acontecimentos no Oriente Médio, consideramos essencial que o governo brasileiro, representante de um Estado, considerado democrático e de direito, registre, pública e imediatamente, os seguintes pontos e diretrizes de ação política:

  1. Cessação imediata dos covardes ataques do exército israelense ao Líbano, que constituem violação inaceitável da soberania e integridade do povo libanês e que já mataram e continuam ameaçando a vida de milhares de cidadãos brasileiros no território libanês;

  2. Instauração imediata de negociações diplomáticas para solução de eventuais conflitos;

  3. Que o Governo de Israel e seus aliados respeitem as regras da convivência internacional pacífica, as normas e leis internacionais vigentes, em particular o cumprimento das resoluções da ONU acerca das relações e divisões territoriais entre o Estado de Israel e os Estados Árabes no Oriente Médio;

  4. Reconhecimento por parte do Governo de Israel da soberania da Autoridade Palestina, democraticamente eleita pelos palestinos, incluindo a retirada dos territórios ocupados e o repasse imediato da totalidade de impostos e transferências financeiras e orçamentárias devidas à Autoridade Palestina;

  5. Ação efetiva e duradoura do governo brasileiro para que todos os atores comerciais, financeiros e políticos internacionais respeitem e promovam, em particular no Oriente Médio, o exercício de direitos sociais inalienáveis como Liberdade de Expressão e Organização, Saúde, Higiene, Educação, Habitação e Condições Dignas de Vida e Trabalho;

  6. Proponha, através de seus representantes na ONU, resolução plenária da entidade cujo conteúdo reflita os pontos (1) a (5) indicados acima;

  7. Subordinar a participação brasileira em eventuais acordos comerciais à promoção do cumprimento dos pontos (1) a (5) acima.

São Paulo, 15 de Julho de 2006 Assinam:

  • Instituto da Cultura Árabe

  • Federação das Entidades Árabes do Brasil

  • Federação das Entidades Árabes de São Paulo

  • Confederação das Entidades Árabes Palestinas do Brasil

  • Associação Mundial da Juventude Islâmica

  • Centro Cultural Árabe-Sírio

  • Central Única dos Trabalhadores - CUT

  • Jornal Hora do Povo

  • Instituto Futuro

  • Movimento Palestina Livre

  • União Nacional dos Estudantes - UNE

  • União Brasileira dos Estudantes Secundaristas - UBES

  • União Municipal dos Estudantes Secundaristas - São Paulo

  • Rede de Difusão pela Paz

  • Samba do Ventre

  • Sind. Nac. dos Docentes das Universidades Brasileiras - ANDES-SN

  • Comitê Mineiro do Fórum Social Mundial

  • Juventude Revolucionária 8 de Outubro (JR8)

Mandatos dos Deputados Federais:

  • Ivan Valente

  • Jamil Murad

  • Luiza Erundina

  • Vereador Carlos Giannazi

Endereçado:

  • Presidente da República

  • Ministro das Relações Exteriores

  • Embaixadores dos países com representação diplomática no Brasil, em particular, Líbano e Palestina

  • Imprensa em geral

Divulgado por ssmaili@farm.epm.br

Tanios Hamzo
 

Não ao Acordo entre Israel e o Mercosul

Companheiros, Abaixo há uma Carta ao Presidente Lula pela não assinatura do Tratado de Livre Comércio Israel-Mercosul. Nas atuais circunstâncias da palestina (invasão genocida da Faixa de Gaza), a assinatura deste tratado é coisa das mais graves, pois implica num apoio político explicito ao Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, e à destruição da nação palestina. Solicito que, no prazo mais breve possível, a carta seja assinada por todas as pessoas: para isso basta assinar a petição on-line: http://www.petitiononline.com/pal2006/petition.html No caso de entidades (sindicatos, partidos políticos, grupos políticos, revistas ou jornais, associações culturais, etc.) que se identifiquem com a luta da nação e o povo palestinos pela sua sobrevivência. Muitas personalidades e entidades já assinaram. Toda assinatura, todo apoio, inclusive a título pessoal, é válido e importante.

Divulguem. Publiquem no jornal ou revista das suas entidades. Façam circular entre seus contatos via Internet. E enviem as assinaturas e pronunciamentos, com urgência, para: coggiola@usp.br aeclem@hotmail.com ssmaili@farm.epm.br Obrigada, Soraya

***

Ao Presidente da República Federativa do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, Exmo. Presidente, Foi com gravidade e grande preocupação que tomamos conhecimento dos planos dos governos dos países membros do MERCOSUL, incluindo o Brasil, de assinar um acordo de livre comércio com o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos. Vimos, por meio desta, e pelos motivos abaixo assinalados, solicitar que o Senhor reconsidere sua decisão e evite a assinatura desse acordo. O Senhor deve estar ciente de que os negociadores do MERCOSUL estão tratando com contrapartes que representam um Estado em franca violação da Lei Internacional e dos Direitos Humanos. A covarde ocupação militar israelense dos territórios palestinos representa a mais longa ocupação militar ilegal da história moderna, e o racismo de Israel representa atualmente o último Estado onde o Apartheid se encontra institucionalizado e legalizado pela sua própria Corte Suprema de Justiça. Para além da escalada mais recente da violência em Gaza e Cisjordânia, o que se percebe é uma covarde violação israelense da Lei Internacional que vem de longa data. O Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, está terminando rapidamente a construção do Muro dentro do território palestino, cortando cidades ao meio (como Kalandia) e contornando outras (como a histórica Belém, e Qalquilya). Estão anexando mais 9,5% das melhores terras da Cisjordânia, anexando Jerusalém oriental ao mesmo tempo em que leis de "planejamento urbano" expulsam os seus habitantes palestinos, legítimos proprietários, residentes e cidadãos da chamada "Cidade Santa" (para as três religiões monoteístas). Seria impossível no escopo de uma carta descrever toda a violação dos Direitos Humanos praticada pelo Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, contra o povo palestino. Mas é necessário mencionar: assassinatos dirigidos; ataques contra a população civil; roubo diário de terra e água subterrânea; demolição arbitrária de casas; limpeza étnica em Jerusalém oriental e sua transformação forçosa em um lugar "somente para judeus"; o impedimento do direito à locomoção; sistemas separados de estradas que asseguram a livre circulação dos colonos judeus dentro dos Territórios, e ao redor dos guetos palestinos; impedimento do acesso à saúde e à educação, à liberdade de culto e residência, enfim, um verdadeiro sistema de punição coletiva de toda uma população. Salientamos, portanto, que as ações praticadas pelo Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, representam a violação das principais convenções internacionais, resoluções das Nações Unidas, e determinações da Lei Humanitária Internacional, notadamente:

  • A Decisão da Corte Internacional de Justiça (CIJ) de 9 de julho de 2004, a respeito da ilegalidade do muro e da necessidade de destruí-lo, seguida pela sua ratificação pela Assembléia Geral da ONU, resolução ES-10/15 (20/julho/2004).

  • Resolução n° 181 da ONU, determinando a divisão da Palestina entre judeus e palestinos e estabelecendo as fronteiras nacionais, bem como o status de Jerusalém e a não-discriminação da população Palestina que permanecesse dentro o novo estado de Israel; Resolução 194, que determina o direito ao retorno e compensação aos refugiados palestinos; 242, a respeito da retirada israelense de todos os territórios ocupados em 1967.

  • A Quarta Convenção de Genebra, relativa aos direitos civis em território ocupado, particularmente no que concerne a proibição da punição coletiva, destruição da propriedade, transferência da população do estado ocupante para os territórios ocupados, o dever de assegurar os serviços básicos de infra-estrutura e saneamento, saúde pública e higiene nos territórios ocupados.

  • Convenção Internacional para a Supressão e a Eliminação do Crime de Apartheid.

Particularmente, a decisão da CIJ envolve obrigações claras para todos os Estados signatários da IV Convenção de Genebra: "Todos os Estados estão obrigados a não reconhecer a situação ilegal resultante da construção do muro e não render ajuda ou assistência para manter a situação criada por tal construção. Todos os Estados signatários da Quarta Convenção de Genebra relativa à Proteção de Pessoas Civis em tempo de Guerra, de 12 agosto de 1949, têm, além disso, a obrigação de (...) assegurar que Israel cumpra com as suas obrigações perante a Lei Humanitária Internacional tal qual incorporada naquela Convenção" (International Court of Justice: Legal consequences of the construction of the wall in the Occupied Palestinian Territory, Advisory Opinion, 9 July 2004). A decisão da Corte Internacional de Justiça não deixa dúvida quanto ao papel dos estados signatários das Convenções de Genebra, e membros das Nações Unidas, no processo de se fazer respeitar a sua decisão. Acima da Assembléia Geral da ONU e do seu Conselho de Segurança, está a responsável soberania das nações até o momento em que se colocam em violação das mesmas. O comércio do Brasil com o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, já implica no apoio a sérias violações dos direitos humanos. Para tomar um exemplo, parte significativa das exportações israelenses aos países do MERCOSUL são produtos químicos, especialmente fertilizantes, seguidos de maquinaria. Primeiro, consta que quatro fábricas de produtos químicos israelenses estão trabalhando dentro de assentamentos na Cisjordânia. Segundo, os fertilizantes importados são os mesmos que abastecem os assentamentos israelenses (totalmente ilegais). Finalmente, as companhias que vendem suas maquinarias ao MERCOSUL também fornecem para o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, e para as companhias que constroem o muro. Por outro lado, nada poderá impedir que os nossos produtos nacionais, como a soja e a carne congelada, sejam vendidos e revendidos, a preços especialmente baixos, dentro dos assentamentos israelenses, abastecendo e suprindo um sistema ilegal de ocupação e vergonhoso apartheid. O MERCOSUL deve - e tem de fato a obrigação - de abster-se do Acordo de Livre Comércio ou de outros acordos até que o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, cumpra com o Direito Internacional e as Resoluções da ONU. Esse é o instrumento nas mãos do MERCOSUL para provar claramente a sua oposição à covarde ocupação israelense dos Territórios palestinos, e contribuir para a aplicação do Direito Internacional. Assim sendo, reiteramos nossa oposição ao Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Governo racista de Apartheid do Estado Sionista-terrorista de Israel, financiado e apoiado pelos Estados Unidos, clamando a que o governo brasileiro se negue em assinar esse acordo.

***

Divulgado por ssmaili@farm.epm.br

Tanios Hamzo
 

Para entender o conflito no Oriente Médio: REGRAS QUE TODO O MUNDO DEVE TER EM MENTE QUANDO OUVE OS NOTICIÁRIOS OU LÊ OS JORNAIS

  1. No Oriente Médio, são sempre os Árabes que atacam primeiro e sempre Israel que se defende. Esta defesa chama-se "Represálias".

  2. Os Árabes Palestinos ou Libaneses não têm o direito de matar civis. Isso se chama "Terrorismo".

  3. Israel tem todos os direitos de matar civis Árabes. Isso se chama "Legitima Defesa".

  4. Quando Israel mata civis, as potências ocidentais pedem que seja mais comedida. Isso se chama uma "Reação da Comunidade Internacional".

  5. Os palestinos e os libaneses não têm o direito de capturar combatentes de Israel que invadam seu território mesmo que o número dos capturados seja inferior a três soldados. Isso se chama "Sequestrar Pessoas Indefesas".

  6. Os israelenses têm o direito de levar a qualquer hora e de qualquer lugar quantos Palestinos e Libaneses desejarem (atualmente são mais de 10.000 no total, dos quais 300 são crianças, e 1000 são mulheres).

  7. Não há limite e não precisam ter provas de culpabilidade de crimes cometidos pelos sequestrados. Basta mencionar a palavra Mágica "Terrorista" como justificativa. Pode Israel, financiado pelos Estados Unidos, manter os sequestrados presos definitivamente.

  8. Quando se menciona 'Hezbullah", é obrigatório na mesma frase dizer a expressão "apoiado e financiado pela Síria e pelo Irã".

  9. Quando se menciona "Israel", é proibido falar a expressão "apoiado ou financiado pelos Estados Unidos". Isso pode dar a impressão de que o conflito é desigual e que Israel não está em perigo existencial.

  10. Nunca falar de "Territórios Ocupados" ou de resoluções da ONU, nem violações de direitos humanos ou internacionais nem da convenção de Genebra. Isso pode perturbar os israelenses ou os ocidentais especialmente os telespectadores da CNN, da FOX, da BBC, etc.

  11. Tanto os Palestinos quanto os Libaneses são covardes que se escondem entre a população civil que não os querem. Eles dormem com as sua famílias nas suas casas. Isso se chama de covardia. Israel tem todo o direito de aniquilar os bairros onde eles estão. Isso é permitido e se chama de "Ações Cirúrgicas de Alta Valentia".

  12. Os Israelenses falam melhor o Inglês, o Francês, o Espanhol, o Português etc. que os Árabes. E por isso eles e os que os apóiam são mais entrevistados e tem mais oportunidade que os Árabes para explicar as presentes regras (isso se chama "Neutralidade Jornalística").

  13. Todas as pessoas que não estão de acordo com o exposto acima são definitivamente Terroristas Anti-semitas de Alta Periculosidade.

Entendeu?

Tanios Hamzo

Voltar ao início desta página


Chega de mentiras!

Terça, 29 de agosto de 2006, 8h03 Osvaldo Coggiola

Em 9 de agosto p.p., foi convocado um ato público "contra o massacre no Líbano e na Palestina", a ser realizado no Anfiteatro Camargo Guarnieri da Cidade Universitária (USP), Campus do Butantã.
A autorização para o uso do Anfiteatro tinha sido previamente solicitada e concedida pelas autoridades responsáveis.
Na véspera da data marcada, no entanto, a autorização foi retirada por autoridades da USP, o que equivalia à suspensão do ato, por não existirem possibilidades de obter em tão curto prazo um local alternativo.
Os órgãos de informação da USP, por outro lado, passaram a (des)informar ao público que o ato tinha sido cancelado, e também, segundo diversos testemunhos, foram arrancados os cartazes de divulgação, pelo serviço de segurança da USP.
Assim mesmo, o ato foi realizado no dia e na hora previstos, do lado de fora, em frente ao Anfiteatro, com equipamento de som, mesa e cadeiras improvisadas (obtidas nos bares do entorno).
Isso porque as autoridades da USP ordenaram que sequer fossem facilitadas cadeiras para que os oradores pudessem sentar, apesar da idade avançada de alguns deles.
Não obstante a desinformação reinante, o comparecimento ao evento foi importante (várias centenas de pessoas).
Os organizadores entenderam que, devido à gravidade da situação no Oriente Médio, em especial no Líbano, o ato deveria ser realizado de qualquer modo.
Era uma questão de honra.
Fizeram uso da palavra, oito professores (entre os quais um Professor Emérito da USP, e quatro Professores Titulares), representantes das entidades da USP (Adusp, Sintusp, DCE - Livre), um deputado federal em exercício de mandato, e um sindicalista bancário em representação do Comitê de Solidariedade aos Povos Árabes, formado por dezenas de entidades representantes da comunidade e da sociedade civil brasileira.
Essa entidade emitiu, no dia seguinte, um comunicando em que "solidariza-se com os manifestantes e lamenta que, em pleno século XXI, ainda haja tentativas de cercear a liberdade de expressão.
E que se tente calar as vozes que clamam pelo fim do massacre dos povos libanês e palestino, lutam pela paz na região e o cessar-fogo imediato e incondicional".
Depois, dois professores da USP decidiram se desfiliar da Adusp, alegando o apoio da entidade ao ato.
Um deles o fez nos termos que seguem: "Há bastante tempo que acompanho com crescente indignação, e cada vez menos senso de humor, aos (sic) pronunciamentos disparatados feitos pela associação a respeito dos mais diversos assuntos.
A gota d'água foi o boletim número 62 do Sintusp, datado de 11 de agosto, disponível na rede, que relata evento promovido em conjunto com a ADUSP clamando pela destruição do Estado de Israel".
Se trata, como veremos, de uma deturpação total, usada apenas como pretexto para uma decisão que, segundo os próprios dizeres do ex-filiado, tem motivos outros, anteriores e bem diversos aos do ato de 9 de agosto.
A Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) pediu, por sua vez, à Procuradoria-Geral de Justiça do Estado, a instauração de inquérito policial contra o Sindicato dos Trabalhadores da USP, o Sintusp, "para apuração de atos discriminatórios e preconceituosos contra a comunidade judaica", que a entidade representa.
Impõe-se, por tanto, restabelecer os fatos e os conceitos.
O ato não foi convocado por nenhuma entidade, mas por um grupo de professores e funcionários, por minha iniciativa.
As entidades foram convidadas a enviar oradores para se manifestarem, o que fizeram.
O ato tinha um sentido humanitário (protestar contra o massacre da população civil do Líbano e da Palestina, especialmente crianças e idosos), mas também político: o de condenar o ataque injustificado a um Estado soberano, reconhecido pela comunidade internacional, pelo exército israelense - infinitamente mais poderoso que seus adversários - apoiado pelos Estados Unidos da América.
O lado humanitário era também político, pois como manifestou o Ministro de Defesa de Israel, Amir Peretz, no início dos ataques, o cerco à população civil (ataques aéreos a cidades sem defesa antiaérea, destruição da infra-estrutura do Líbano, etc.) obedecia ao objetivo de levar essa mesma população, pela extrema violência, a deixar de apoiar o Hamas (na Palestina) e o Hezbollah (no Líbano), e a pressionar seus respectivos governos.
Ou seja, tratou-se de uma guerra conscientemente criminosa, contra uma população civil indefesa.
O massacre mencionado, por outro lado, foi denunciado como "crime de guerra" por Amnesty Internacional, e como "crime de lesa humanidade" pelo presidente da República do Líbano, Fuad Siniora.
Não se pode, no entanto, denunciar um crime sem denunciar o culpado.
A resolução da ONU que impôs o cessar-fogo, como é sabida, não condenou os crimes de guerra de Israel.
Na USP, chamou profundamente a atenção quando um conjunto de membros da comunidade universitária, incluindo professores da mais alta qualificação, se mobilizou para condenar um acontecimento que despertou a repulsa da opinião pública democrática mundial.
Como chamou a atenção o fato das autoridades da USP tentarem calar essas vozes, que longe de prejudicarem a imagem ou as atividades-fim da universidade pública honraram a ambas no mais alto nível do compromisso humano.
O Professor Emérito que compareceu ao ato não conseguiu conter as lágrimas ao se referir à situação no Líbano, a terra de origem da sua família.
Segundo informações fornecidas pelo jornal O Estado de São Paulo, a Reitoria da USP "cancelou a permissão de uso do auditório, por constatar que se tratava de ato contra a existência de Israel".
Trata-se de uma fabulação: nenhum material de divulgação do ato colocava semelhante propósito.
Mais ainda, esse objetivo sequer foi colocado, no conflito do Oriente Médio, pela principal força libanesa combatente, o Hezbollah, organização de profissão islâmica - que não é considerada uma organização terrorista pelo Brasil.
Esta declarou, explicitamente, que o objetivo de sua resistência contra a agressão e invasão do Tsahal era a retirada do exército israelense do território libanês e a libertação dos presos árabes - libaneses e palestinos, em especial - das prisões de Israel.
No mesmo sentido foram os pronunciamentos de outras forças participantes da resistência armada à agressão do exército israelense (o Partido Comunista Libanês e a FPLP da Palestina).
Foram os porta-vozes de Israel e dos EUA os que pretenderam deturpar o sentido das ações da resistência libanesa, atribuindo-lhes a intenção imediata de destruir o Estado de Israel.
No ato de 9 de agosto, por outro lado, foram expressos pontos de vista divergentes, e até contraditórios, acerca da guerra no Médio Oriente.
Todos foram ouvidos com respeito e ninguém ameaçou a ninguém de retirar-se, por causa de algum ponto de vista oposto.
Foi só posteriormente (POSTERIORMENTE!) ao ato de 9 de agosto que uma das entidades participantes, o Sintusp, publicou um panfleto em que, a par de denunciar o cancelamento antidemocrático do ato pelas autoridades da USP, defendeu "o fim do Estado de Israel".
Ora, atribuir ao ato de 9 de agosto uma intenção expressa POSTERIORMENTE por UM dos seus TREZE participantes é, obviamente, uma manifestação de profunda má-fé.
Como escreveu uma das participantes do ato "embora os protestos tenham sido feitos em tons e graus de emoção variados, não havia clima nem atitude de anti-semitismo naquele evento".
No entanto, segundo o "Informe Paz Agora/BR - 20/8/2006", o evento e seus organizadores poderiam ser acusados de "neonazismo de 'esquerda'".
Como estas e outras acusações no mesmo tom não são leves, e foram feitas contra pessoas de reconhecida militância democrática e antifascista, caberá eventualmente analisar os processos legais que devam ser movidos contra as entidades ou pessoas que as lançaram.
Isto posto, cabe perguntar se o Sintusp tem o direito de se manifestar no sentido aludido e se essa manifestação constitui um exemplo de "ódio anti-judaico e sectarismo político", conforme comunicado da A. S. A., para a qual "a destruição do Estado de Israel é palavra-de-ordem moralmente indefensável".
Segundo a colorida linguagem de um dos agora ex-filiados da Adusp, já citado, "a linguagem hitlerista (do Sintusp) tem ao menos o mérito de explicitar as posições de nossa esquerda universitária, declarando claramente que sua motivação é o ódio ao Estado de Israel e aos judeus em geral".
“O fato é que Israel usa e continuará a usar a força contra seus inimigos declarados justamente porque eles propõe (re-sic) a destruição violenta do estado judeu.Não haverá paz no Oriente Médio enquanto o povo israelense ouvir constantemente a ameaça de extermínio repetida nesse boletim (do Sintusp).
O projeto de destruição do estado judeu é exatamente a causa das guerras em que Israel foi envolvido pelos países vizinhos e por organizações paramilitares árabes".
A mesma pessoa afirma que "a destruição do Estado de Israel (equivale a) o extermínio do meu povo, e um segundo holocausto judeu".
Na verdade, a não-existência de Israel foi defendida, muito antes da sua criação, pelos setores mais amplos e militantes do movimento dos trabalhadores judeus que lutavam, não de forma literária, mas realmente, contra o anti-semitismo e os pogroms na Rússia czarista e na Europa Oriental, no século XIX e na primeira metade do século XX.
O sionismo (inclusive de esquerda) era minoritário entre os judeus da Europa, quando do seu nascimento no último quartel do século XIX, e pelo menos até meio século depois.
A maioria dos trabalhadores judeus rejeitava o objetivo do sionismo (a construção de Eretz Israel, na Palestina, na Uganda ou no litoral da Argentina, os lugares que eram cogitados - o fundador do sionismo, o austríaco Theodor Herzl preferia... a Argentina).
É o que fazia, entre outros, o grande partido socialista judeu, o Bund (União), que queria lutar pelo socialismo na Rússia e na Europa (e pela autonomia nacional-cultural judia dentro de uma Europa socialista).
Mas o Bund foi espatifado entre duas forças contraditórias: a Revolução Russa, que lhe tirou boa parte de sua base, e a transformação do sionismo em uma força política (e econômica) superior, quando o sionismo virou um aliado explícito das potências imperialistas (no caso, a Inglaterra) a partir da "declaração Balfour", em 1917 - já morto seu fundador Herzl e sob a condução de Chaim Weiszman.
A "declaração" do ministro inglês era, na verdade, uma resposta a uma carta do dirigente sionista.
Propunha ele que o futuro Estado de Israel fosse uma cabeça de praia da Inglaterra, contra os impérios coloniais rivais, nos territórios do antigo Império Otomano, já em vias de decomposição (esta agravada pela I Guerra Mundial).
O nazismo alemão viria, em poucos anos, acrescentar ao drama judeu um componente decisivo (o Holocausto de seis milhões de judeus na Europa, ou seja, a tentativa nazista de destruir o judaísmo europeu), que foi usada como base histórica e motivação moral para a criação do Estado sionista, em 1948.
Este foi imediatamente reconhecido pela URSS totalitária de Stalin (que tinha criado sua própria república judaica, o Birobidjã, em uma inóspita região da Sibéria), que lhe forneceu (junto com os EUA) boa parte do armamento e a logística usados para, primeiro, expulsar os habitantes não judeus da região, e, depois, para fazer a guerra contra os Estados vizinhos.
Se os pogroms czaristas foram usados pela Inglaterra para tentar criar uma plataforma própria no ex-Império Otomano, o holocausto nazista foi usado pelos EUA (que o ignoraram durante a II Guerra, como já foi fartamente documentado) para criar uma máquina militar permanente no Oriente Médio, contra as nações árabes.
O imperialismo sempre se baseou na divisão dos povos oprimidos, e fazendo da desgraça alheia a felicidade própria.
Desde então, as fronteiras desse Estado - dito democrático, mas na verdade confessional, e atualmente dirigido por uma casta religiosa e militar reacionária; dotado de um exército e de um poder de fogo (incluídas centenas de ogivas nucleares) totalmente desproporcionais ao seu tamanho geográfico, demográfico ou econômico, isto devido ao apoio institucional e multifacetado dos EUA - essas fronteiras se expandiram constantemente, em relação àquelas da resolução original da ONU, que legitimou a sua criação.
O balanço histórico é que o Estado sionista, em todas as suas versões políticas (de direita, de esquerda, de centro ou, como hoje, de coalizão esquerda-direita-centro) só sobreviveu e sobrevive com base no massacre permanente dos povos da região ou, como disse Michel Warchawski, dirigente de esquerda em Israel, com base na "guerra permanente" contra esses povos.
É demasiadamente hipócrita e cínico afirmar que questionar a existência do Estado sionista equivale a propor o extermínio de um povo, ao mesmo tempo em que se nega, ao longo de 60 anos, a mais elementar existência nacional ao povo palestino.
Será crime constatar que o Estado sionista só conseguiu e consegue se viabilizar como um ghetto militarizado, odiado por todos os povos da região? Será crime defender o direito de todos os palestinos retornarem às suas terras e lares, das quais foram violentamente expropriados de 1948 em diante? Será crime, será anti-semitismo, pensar e defender a opinião de que, nessas condições, somente um Estado único, laico e democrático, em que coexistam populações árabes e judaicas, em todo o território da Palestina histórica, ofereceria uma saída de fundo ao drama histórico desses povos? Isso, ou a guerra reacionária permanente, que pode terminar em um Holocausto multi-direcional, ou no primeiro Leviatã do "choque das civilizações" (que, em parte, já existe na Palestina).
Defender essa opinião, como o fazem diversas forças de esquerda e democráticas no mundo todo, não é crime, e muito menos uma forma de anti-semitismo, como pretendem os ideólogos do establishment dos EUA.
É, ao contrário, defender um destino democrático para o povo judeu, junto ao restante dos povos do Oriente Médio e do mundo, e para que pare de ser bucha-de-canhão dos EUA para seus projetos de dominação imperial mundial da região e do planeta todo.
Pode-se estar de acordo ou não com essa opinião.
O que é inadmissível é qualificá-la de racista, anti-semita ou, pior ainda, de constituir um chamado ao extermínio do povo judeu.
Isso, mais que uma mentira, é uma calúnia pura e simples, a serviço dos piores interesses, os da manutenção da opressão dos povos árabes, os da manutenção da opressão do povo judeu por um testamento clerical-militar aliado aos piores interesses imperiais dos senhores do mundo.
Seria uma piada, se não tivesse um conteúdo trágico.
Afirmar que "Israel usa e continuará a usar a força contra seus inimigos declarados", significa propor um futuro de banhos de sangue e opressão permanentes contra os povos do Oriente Médio.

Voltar ao início desta página


Foi uma Assembléia Geral da ONU, com presença de mais de 150 Estados soberanos, que condenou o sionismo como racismo!

SIONISMO = RACISMO

SIONISMO É RACISMO - RESOLUÇÃO DA ONU

Por Adolf Schckilgruber

Sionismo é racismo! Quem definiu foi a ONU.

Recordando sua Resolução 1.904 (XVIII), de 20 de novembro de 1963, na qual se proclamou a Declaração das Nações Unidas sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial e, em particular, na afirmação de que “toda doutrina de diferenciação ou superioridade racial é cientificamente falsa, moralmente condenável, socialmente injusta e perigosa”, e a expressão de sua inquietude “pelas manifestações de discriminação racial que ainda existem no mundo, algumas das quais são impostas por determinados governos mediante disposições legislativas, administrativas ou de outra índole”.

Recordando também que, em sua resolução 5.151 G (XXVIII), de 14 de dezembro de 1973, a Assembléia Geral condenou, entre outras coisas, a aliança ímpia entre o racismo sul-africano e o sionismo.

Tomando nota da Declaração do México sobre a Igualdade da Mulher e sua Contribuição para o Desenvolvimento da Paz, proclamado pela Conferência Mundial do Ano Internacional da Mulher, celebrada no México, DF, entre 19 de junho e 2 de julho de 1975, na qual se promulgou a princípio de que “a paz e a cooperação internacionais exigem a concretização da libertação nacional e a independência, a eliminação do colonialismo, do apartheid e da discriminação racial em todas as formas, assim como o reconhecimento da dignidade dos povos e seu direito à livre determinação".

Tomando nota, ademais, da Resolução 77 (XII), aprovada pela Assembléia dos Chefes de Estado e de Governo da organização da Unidade Africana, em seu 12º período ordinário de sessões celebrado entre 28 de julho e 1º de agosto de 1975, durante a qual se considerou que “o regime racista na Palestina, ocupada e os regimes racistas em Zimbábue e na África do Sul têm como origem imperialista comum, constituem um todo, apresentam a mesma estrutura racista e estão organicamente vinculados em sua política destinada à repressão da dignidade e integridade do ser humano”.

Considerando, ademais, a Declaração Política e Estratégica para fortalecer a paz e a segurança internacional e reforçar a solidariedade e a ajuda mútua dos países não-alinhados, aprovada na Conferência de Ministros das relações Exteriores dos Países não-alinhados, celebrada em Lima, entre 20 e 30 de agosto de 1975, na qual se condenou da maneira mais enérgica o sionismo como uma ameaça à paz e à segurança internacional e se opusessem a essa ideologia racista e imperialista.

Declara que o sionismo é uma forma de racismo e discriminação racial (texto aprovado pela Assembléia Geral das Nações Unidas, em 10/11/95, por 72 votos contra 34, e 32 abstenções).

O racismo sionista discrimina até membros da própria religião judaica como, por exemplo, as falashas, judeus negros provenientes da Etiópia, que são impedidos de residir em bairros dos judeus brancos para não desvalorizar os imóveis destes últimos. Os judeus negros são obrigados a residir confinados em guetos em Israel.

A filósofa judaica Hanna Arendt, no seu livro Eichmann em Jerusalém, afirma: "Nós não estabelecemos distinções étnicas em Israel, onde as leis rabínicas estabelecem o status pessoal dos cidadãos judeus, tendo como resultado que nenhum judeu pode casar-se com um não-judeu e se alguém tiver mãe não-judia, não pode casar-se, nem ser enterrado".

No documentário feito para a televisão "Os judeus na Amazônia", um deles afirma: "O judeu nasce privilegiado. Ele nasce mais inteligente dos que os outros. Em qualquer parte do mundo onde tem um judeu, ele se sobressai nos negócios dele. Por quê? Porque ele é mais sabido, inteligente".

Durante a 40º Feira do Livro do Porto Alegre, ocorrida em novembro deste ano, surgiu, na barraca da Revisão Editora um sionista - emocionalmente descontrolado - reclamando em voz alta contra nossas obras expostas, taxando-as de racistas e mentirosas. Diante da atônita assistência que logo se formou, berrou que de judaísmo ele entendia e que "felizmente pertencia a uma raça privilegiada"...

Neste contexto, quase inacreditável (mas compreensível), destaca - se a irracional afirmação do vice - presidente do Congresso Mundial Judaico, Kalman Sultanik: destilando todo o preconceito racista, xenófobo e de superioridade característico daquela organização e dele próprio, esta alta autoridade do sionismo internacional declarou que estava "chocado com o Cardeal-primaz da Polônia, Josef Glemp, por ele dizer que todas as vítimas são iguais", referindo-se à opinião do Cardeal de que os não-judeus que morreram em Auschwitz deveriam igualmente ser homenageados... Sem entrar no mérito da discussão (lá deles), sobre quem vale mais que quem, salta aos olhos o teor racista da manifestação do vice-presidente do Congresso Mundial Judaico: "Um Milhão de Árabes Não Valem a Unha de um Único Judeu".

Por ocasião do enterro do assassino judeu Baruch Goldstein, autor do massacre de mais de 60 palestinos em Hebron, o mundo ouviu estarrecido da boca do rabino israelense Yaakov Perrin aquela máxima, que sintetiza magistralmente o pensamento do racismo sionista judaico a respeito do restante da humanidade: "Um milhão de árabes não valem a unha de um único judeu".

Estes são apenas pequenos exemplos de um mar de manifestações judaico-sionistas reafirmando a condição de superioridade, povo eleito, dono da verdade, que os judeus sionistas apregoam eternamente. São, evidentemente, posicionamentos políticos-doutrinários que provocam surpresa e antipatia generalizada, até entre pessoas sem um maior conhecimento histórico.

Em virtude de ter á sua disposição praticamente todos os meios de comunicação existentes no mundo (a ininterrupta apresentação e reapresentação de filmes que insistem em mostrar os judeus como eternas vítimas continua sempre, apesar da audiência e da credibilidade cada vez menores), o Sionismo (movimento racista, político, ideológico e nacionalista judaico, totalmente voltado aos interesses de Israel e seu secular plano de domínio mundial) tem total facilidade em difamar, repudiar, injuriar, ofender, discriminar ou boicotar qualquer pessoa, ou grupo, que contrarie, que desminta e desmascare seus intentos, usando para isso centenas de organizações que possuem enquistadas em todo país onde se encontram, capitaneadas pelas famigeradas Federações Israelitas.

Constituição Federal de 1988

Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos

Art. 5.º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,  à liberdade,   à igualdade,   à segurança e à propriedade,  nos termos seguintes:

XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;

SIONISMO = RACISMO

SIONISMO É RACISMO - RESOLUÇÃO DA ONU

Sionismo é Racismo. Revisar a História Não É!

É doloroso - na qualidade de pesquisador histórico, ocupado em transmitir em livros parte das minhas amplas pesquisas - ser processado na minha própria pátria por um verdadeiro bando de fanáticos inconformados com os resultados constantes das nossas obras, chegando - pelas mais diversas formas de pressão - ao ponto de assistirmos a humilhação de ter livros apreendidos, para exames pela Justiça, baseado em acusação de suposto racismo! Afortunadamente a Justiça Brasileira tem sido exemplar, e nos únicos processos concluídos até agora contra mim, fui totalmente absolvido. Em vista do grande acúmulo de processos e também pela complexidade da matéria, as decisões, infelizmente, têm sido bastante lentas, fato que é aproveitado pelos sionistas, através da imprensa escrita, rádios, TV Globo, SBT, Manchete, Cultura, etc., para continuar nos apresentando como escritor e divulgador de livros "nazistas", "racistas", "anti-semitas", fato que tem nos trazido prejuízos morais e também elevados prejuízos financeiros nos últimos anos de boicotes e processos. Felizmente a ampla divulgação de que sou racista é tão verdadeira como a afirmação de que seis milhões de inocentes judeus foram mortos em câmaras de gás durante a II Guerra Mundial!

Os sionistas, porém, na condição de donos da mídia, do capital e conseqüente influência junto aos governos de países e da ONU - onde Israel é o campeão absoluto no não-cumprimento de Resoluções - estão tratando de forjar Leis especiais, através das quais pretendem perpetuar suas mentiras, impedir qualquer forma de contestação às suas "verdades" e castigar quem se atrever a desmentir um único elemento do povo judeu, pretendendo o status de inatacáveis!

Eles conseguiram recentemente que a Suíça (caixa-forte de dinheiro sujo do mundo) adotasse a seguinte Lei, que deverá entrar em vigor no dia 1º de janeiro de 1995:

“1º - Quem abertamente incentivar ao ódio ou descriminação contra uma pessoa ou um grupo de pessoas por causa de sua raça, etnia ou religião”;

“2º - Quem abertamente espalhar ideologias que visem o menosprezo ou difamação dos pertencentes a uma raça, etnia ou religião”;

“3º - Quem com os mesmos objetivos organizar ações de propaganda, divulgar ou participar”;

“4º” - Quem abertamente através da palavra, letra, fotografia, gestos, realizações ou outras formas menosprezar ou discriminar uma pessoa ou grupo de pessoas por causa de sua raça, etnia ou religião, ou por uma dessas formas negar, desmistificar de forma grosseira ou procurar justificar genocídios ou outros crimes contra a humanidade";

"5º - Quem numa obra, destinada ao público em geral, rejeitar uma pessoa ou um grupo de pessoas por causa de sua raça, etnia ou religião, será punido com prisão ou multa."

Constituição Federal de 1988

Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos

Art. 5.º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,  à liberdade,   à igualdade,   à segurança e à propriedade,  nos termos seguintes:

XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;

SIONISMO = RACISMO

SIONISMO É RACISMO - RESOLUÇÃO DA ONU

Leis Para Criminalizar a Pesquisa Histórica!

Caso esta lei já estivesse aprovada, jamais o mundo ficaria sabendo - meio século depois - que o tristemente famoso Massacre de Katyn foi perpetrado pelos comissários soviético-sionistas, que assassinaram 4.500 oficiais da elite militar polonesa, colocando a culpa nos alemães e - inclusive - enforcando posteriormente oficiais e soldados alemães por este crime, cometido pelos próprios julgadores, fato que era do total conhecimento de todas as altas autoridades civis e militares aliadas. Somente o trabalho incansável de Revisionismo Histórico, pesquisando incessantemente durante mais de meio século, permitiu o desmascaramento para o público em geral desta terrível injustiça: se esta lei já estivesse em vigor, nada disso poderia ser contestado! Se essa lei já estivesse em vigor, também a farsa dos 4,5 milhões de gaseados de Auschwitz igualmente não poderia ter sido desmascarada! Assim também a farsa do "diário" de Anne Frank - escrito com caneta esferográfica, um invento dos anos 50, ou seja, após o término da guerra - jamais teria chegado ao conhecimento público. Se esta lei já estivesse em vigor, também o terrível embuste da "Lista de Schindler" não poderia nem sequer ser comentado sob uma forma crítica, pois seria considerado Crime este tipo de pesquisa histórica!

Teríamos, também no Brasil, esta vergonhosa Lex Sionista, autêntica lei da prepotência que vigora na Alemanha subjugada e na França servil e que deverá vigorar na democrática Suíça a partir de 1º de janeiro de 1995.

As autoridades governamentais, deputados e senadores desses países, por ignorarem totalmente as revelações revisionistas, que desmascaram toda essa longa farsa histórica - ou por submissão à pressão de interesses político-financeiros - deixam-se influenciar pelos sempre lamurientos, intolerantes - mas eficientes - sionistas, escudados pelo que de mais importante possuem, ou seja: seus grupos financeiros e conglomerados multinacionais que dominam os mais importantes setores econômicos do mundo.

O Revisionismo - como movimento de pesquisas históricas - aprova totalmente a instituição de leis que visem combater o racismo, mas lutará contra o cerceamento da liberdade de expressão e pesquisa no campo do pensamento e do questionamento da História. E esta lei suíça, que provavelmente deverá servir de modelo a determinados legisladores brasileiros no sentido de tentarem uma revisão constitucional visando impedir a continuidade das investigações revisionistas também no nosso país, esconde-se ardilosamente dentro de uma lei anti-racista (finzinho do parágrafo 4º da lei suíça...) para garantir imposição sionista que visa fundamentalmente a manutenção da Mentira do Século - o "holocausto" judaico - e a permanência indefinida da vitimização do povo judeu, peça-chave no seu plano secular de dominação mundial. Como exemplo vivo da aplicação deste tipo de lei, informo que meu livro Holocausto: Judeu ou Alemão? - em tradução alemã - que contradiz de forma clara e inequívoca a versão dos vencedores (que ainda ocupam militarmente a Alemanha), sendo, portanto, uma obra favorável ao povo alemão, não pode ser comercializado naquele país, pois contraria a lei alemã (?) que proíbe duvidar do "holocausto"...! (Em tempo: para uma melhor compreensão deste estado de coisas, é bom lembrar que até hoje os Aliados não firmaram o Tratado de Paz com a Alemanha, fato que a torna um Estado títere).

Temos a absoluta certeza de que - a exemplo dos Estados Unidos e do Canadá - qualquer tentativa antidemocrática de implantar no Brasil o cerceamento à opinião à liberdade de pesquisas e sua divulgação, encontrará a firme e decidida oposição e repúdio da Justiça brasileira.

http://www.angelfire.com/rebellion2/israel/

Teria sido, nessa ocasião, a ONU tomada pelo anti-semitismo? E cabe mencionar aqui que uma minoria da esquerda judia lutou e luta bravamente em Israel contra a guerra: organizou manifestações importantes em Tel Aviv e até em Haifa, no próprio decorrer das hostilidades.
Diversas entidades, conclamadas pelo CONLUTAS, entidade sindical, "manifesta(ram) total solidariedade aos trabalhadores da USP e ao seu sindicato - o Sintusp - que vem sofrendo ataques, ofensas e até ameaças por parte de setores da Federação Israelita, por denunciar os constantes massacres contra os povos árabes levadas a cabo pelo exercito israelense, bem como por defender o fim do Estado de Israel e a formação de um Estado Palestino, Laico e Democrático naquela região.
Repudiamos também a atitude do presidente da Federação Israelita de São Paulo, Sr. Jaime Blay, que deu entrada com pedido de abertura de inquérito policial contra o Sintusp junto à Procuradoria Geral de Justiça de São Paulo".
Como afirmou um manifesto de "cidadãos de origem judaica residentes no Brasil", "nos somamos a todos aqueles que protestam contra estes massacres, contra essa guerra hedionda, exigindo o fim dos ataques e a retirada de Israel do Líbano e dos territórios ocupados, independentemente das resoluções dúbias ou omissas da ONU.
Bombardear vilas de civis no Sul do Líbano é um crime contra a humanidade como foi o bombardeio do Gueto de Varsóvia.
Atirar em crianças palestinas é um crime contra a humanidade como foram os "pogroms" da Rússia Czarista.
Estigmatizar os povos árabes como inimigos é odioso assim como a estigmatização sofrida pelos judeus ao longo de séculos".
Não é preciso acrescentar uma palavra sequer.
Aos caluniadores e defensores do massacre permanente dos povos caberá assumir suas responsabilidades, em todos os âmbitos.
Só haverá paz se houver justiça e respeito aos direitos de todos os povos, no Médio Oriente e no mundo todo.
Osvaldo Coggiola é professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP Terra Magazine

PÓS-GUERRA SEM FIM

"Nosso amigo Saddam" Como as empresas e os governos ocidentais, em especial o dos Estados Unidos, apoiaram a ascensão de Saddam, a ditadura de Saddam, as guerras de Saddam e os crimes de Saddam Michel Despratx, Barry Lando

Os próprios estatutos do tribunal farão com que os Estados Unidos e os outros países sejam completamente afastados das acusações Em um café do centro antigo de Bagdá, os clientes, questionados sobre o processo vindouro do ex-presidente Saddam Hussein, adotam primeiro um ar grave para lembrar os crimes do ditador ou a necessidade desse julgamento. Depois, ao fim de algumas frases, todo mundo sorri e olha para o outro lado, como se o processo não devesse trazer nada de sério. Todos estão persuadidos de que os Estados Unidos controlam inteiramente o tribunal diante do qual vai comparecer o ex-ditador e que nenhum estrangeiro será ali questionado, sejam quais forem os crimes hediondos que possa ter cometido no Iraque. “Se esse processo um dia acontecer mesmo, e eu duvido”, enfatiza um professor, “nunca abordará a questão das relações de Saddam com os países estrangeiros”. Um engenheiro acrescenta: “Isso traria o risco de revelar coisas demais que não são do interesse do Ocidente”. Consultado muito na contra-corrente pelo Departamento de Estado, que desempenhou um papel chave na criação desse tribunal, o perito judiciário americano Cherif Bassiuni explica: “Tudo foi feito para instalar um tribunal em que os juízes não serão independentes, mas ao contrário, estritamente controlados. Falando de controle, quero dizer que os organizadores desse tribunal têm de assegurar-se de que os Estados Unidos e as outras potências ocidentais não serão questionadas. Os próprios estatutos do tribunal farão com que os Estados Unidos e os outros países sejam completamente afastados das acusações. O que fará desse processo um processo incompleto e injusto; uma vingança do vencedor”. Os organizadores americanos e iraquianos do processo decidiram, de fato, que o tribunal especial que vai julgar os crimes de Saddam Hussein não poderá acusar nenhum estrangeiro de cumplicidade – o que quer dizer nenhum americano, inglês ou francês. Ora, a história desses quarenta últimos anos transborda de exemplos em que não-iraquianos, entre os quais cinco presidentes americanos, pelo menos três presidentes franceses, vários primeiros ministros britânicos e inúmeros empresários ocidentais foram cúmplices, e por vezes co-autores, de crimes cometidos pelo regime baathista. Luta contra os comunistas Depois de fuzilar o presidente Qassem, os baathistas mataram e torturaram milhares de comunistas e simpatizantes da esquerda Foi sob a presidência de John F. Kennedy que Washington começou a apoiar matanças no Iraque. Em 1963, preocupados por ver o presidente Abdel Karim Qassem se aproximar de Moscou e ameaçar nacionalizar o petróleo, os Estados Unidos decidiram agir. Em 8 de fevereiro de 1963, apóiam o golpe de estado de um partido político muito anticomunista, o Baath. Conselheiro político da embaixada dos Estados Unidos em Bagdá logo depois desse golpe de estado, James Akins confirma: “Fornecemos dinheiro aos baathistas, muito dinheiro, e equipamento. Isso não se dizia abertamente, mas muitos dentre nós o sabíamos”. Depois de fuzilar o presidente Qassem, os baathistas mataram e torturaram milhares de comunistas e simpatizantes da esquerda: médicos, magistrados, operários. “Nós recebemos uma só ordem: exterminar os comunistas!”, confessa um dos autores desse massacre, hoje diretor de uma escola primária em Bagdá, Abdallah Hatef. “O jovem Saddam Hussein estava muito motivado. Torturava os operários, o que consistia em encher os homens com água, em quebrar-lhes os ossos ou em dar-lhes choques elétricos”. Washington sempre negou, mas vários dirigentes do golpe de Estado revelaram que a CIA desempenhou um papel ativo na matança, notadamente fornecendo listas de comunistas a serem presos. Em 2003, uma ex-autoridade da diplomacia americana, entrevistada por uma grande agência de notícias, antes de responder exigiu o anonimato: “Estávamos francamente felizes por nos livrarmos dos comunistas! Vocês acham que eles mereciam uma justiça mais equitativa ?Estão brincando. O negócio era sério mesmo!”.1”. Até então inédito, o relatório de uma reunião ocorrida em Bagdá em 9 de junho de 19632 entre os americanos e os baathistas confirma a “vontade comum de erradicar o comunismo na região”. O inimigo visado não se limitava aos comunistas, mas incluía os curdos resistentes ao poder baathista no norte do país. Em Bagdá, Subhi Abdelhamid3, que na época comandava as operações do exército iraquiano contra os curdos, confirmou que havia negociado pessoalmente com o adido americano a entrega de 5 mil bombas a fim de esmagar a resistência. “Depois, os americanos nos ofereceram, sem exigir pagamento, mil bombas de napalm para bombardear as aldeias curdas.” Segundo os curdos que viveram esses bombardeios, o napalm queimou o gado e aldeias inteiras. Mas na época eles pensavam que aquele napalm tinha sido fornecido pelos soviéticos. A guerra contra o Irã Em seu processo, Saddam Hussein será acusado de ter empreendido, em setembro de 1980, uma guerra contra o Irã, que custou a vida de 1 milhão de homens e mulheres. Entretanto, várias testemunhas afirmam que Washington o encorajou a iniciar esse conflito. O Ocidente tinha tudo a ganhar em vê-lo atacar a muito ameaçadora revolução islâmica do aiatolá Khomeiny. Um documento altamente secreto do governo americano, datado de 1984, revela: “O presidente Carter deu a Saddam Hussein o sinal verde para começar a guerra contra o Irã”.4”. Washington não só encorajou Saddam a iniciar a guerra contra o Irã, mas forneceu armas, planos de guerra e informações Com esse sinal verde, os Estados Unidos participaram também do plano de batalha contra o Irã? É o que afirma o presidente iraniano da época, Abolhassan Bani-Sadr. Segundo ele, seus serviços secretos compraram uma cópia desse plano, redigido, segundo suas fontes, em um hotel parisiense por iraquianos e americanos. “O que me permite afirmar que era autêntico é que a guerra iraquiana foi conduzida exatamente de acordo com esse plano. Foi por ter esse plano que nós pudemos enfrentar os ataques iraquianos5.” Oficialmente, Washington estava neutro no conflito Irã-Iraque. Uma comissão de investigação americana, todavia, revelou que a Casa Branca e a CIA secretamente passaram a Saddam Hussein todo tipo de armas, entre as quais bombas de fragmentação. Suas informações por satélite permitiram melhor visar as tropas iranianas, enquanto que Washington sabia da utilização de armas químicas pelas tropas iraquianas. Segundo Rick Francona, oficial de informação militar americana, que em 1988 levava a Bagdá a lista de alvos iranianos a serem bombardeados, foram essas informações que deram ao Iraque a vitória final sobre o Irã. Massacre aos curdos Outro dos crimes pelo qual Saddam Hussein deverá responder diante do tribunal especial é a morte por gás, em 1988, de 5 mil civis da aldeia curda de Halabja. Bagdá os acusou de ter colaborado com os iranianos. Na época, os Estados Unidos e a França fizeram tudo para impedir que Saddam Hussein fosse condenado por esse crime. Não apenas o presidente Ronald Reagan impôs seu veto a uma lei destinada a bloquear o comércio americano com o Iraque, mas Washington enviou um telex a suas diversas embaixadas no mundo, pedindo-lhes para afirmar que os curdos de Halabja haviam sido mortos com gás pelos... iranianos. A França também “esqueceu” de condenar Saddam por este crime. No dia seguinte ao drama, o governo de Michel Rocard publicava um comunicado denunciando os ataques químicos “venham de onde vierem”, mas sem citar o presidente iraquiano. Ministro das relações exteriores na época, Roland Dumas explica por quê: “É verdade que o Ocidente fechava um pouquinho os olhos, porque o Iraque era um país que nós julgávamos necessário para o equilíbrio da região”. Já Jean-Pierre Chevènement, ministro da defesa na época, declarou: “Se quisermos julgar o caso de Halabja no seu conjunto, é preciso remeter-se à importância decisiva daquela região no fornecimento mundial de petróleo: quem tem essa região tem o equilíbrio financeiro do planeta. Então, nunca se tem a escolha entre o bem e o mal: tem-se a escolha entre o que é horrível e o que é horrendo”. Além de suas necessidades de petróleo, a França era também o primeiro fornecedor militar do Iraque. Para analisar o massacre aos curdos, é preciso remeter-se à importância decisiva daquela região no fornecimento mundial de petróleo Em Paris, o homem que comandava a Direção Geral da Segurança Externa (DGSE) em 1981, Pierre Marion, preocupava-se com o apoio militar da França de François Mitterrand a Saddam Hussein. Ele afirma hoje que esse apoio era alimentado pelos comerciantes de armas, que tinham todo interesse em manter a guerra Irã-Iraque. “Dassault”, diz Marion, “foi o comerciante de armas que mais lucrou com esta guerra e que mais a impulsionou. Ele tinha meios de pressão extremamente enérgicos e potentes sobre todos os dirigentes franceses.” Em 1992, uma pequena associação européia, Juristas contra a Razão do Estado, acionou na justiça os vendedores de armas franceses Dassault, Thomson e Aérospatiale. Os tribunais parisienses chegaram então à conclusão que vendendo armas a um país que as utilizava para bombardear civis, essas companhias francesas se expunham ao risco de um dia, ter de prestar contas à justiça. Ajuda decisiva Não é mais segredo: Saddam Hussein nunca teria podido atacar seus vizinhos nem cometer crimes com armas químicas sem ajuda das empresas e governos ocidentais. Os gases mortais vinham da Alemanha, e as fábricas que os produziam ficavam na França ou nos Estados Unidos. A lista exaustiva dessas empresas cúmplices ainda não foi revelada. Em dezembro de 2002, a CIA se apoderou em plena noite de um relatório de 12 mil páginas sobre os armamentos de Saddam Hussein entregues às Nações Unidas. A CIA devolveu-o 48 horas mais tarde, faltando cem páginas. Um vazamento do governo permitiu a Gary Milholin, perito americano em mercados de armamento, recuperar as páginas retiradas. Nós conseguimos consultá-las: elas revelam que o laboratório Pasteur vendeu germes biológicos ao Iraque, que a empresa alsaciana Protec equipou uma fábrica de gás de combate em Samarra e ainda que a firma americana Bechtel, que financia as campanhas eleitorais da família Bush, forneceu ao Iraque uma fábrica de armas químicas. Outros documentos comprometendo companhias ocidentais dormem ainda na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, onde estão guardados os dossiês dos inspetores da ONU no Iraque. “Conversei com os funcionários da ONU em Nova York e eles me garantiram que essas informações devem permanecer confidenciais”, lamenta Milhollin. Invasão do Kuwait Saddam nunca teria podido atacar seus vizinhos nem cometer crimes com armas químicas sem ajuda das empresas e governos ocidentais Saddam Hussein será acusado de ter brutalmente invadido o Kuwait em agosto de 1990. Da noite para o dia, o antigo aliado tornou-se o pior dos tiranos: “Estamos lidando com um novo Hitler”, garante então o presidente George Bush pai. Mas vários protagonistas iraquianos e americanos acusam o presidente Bush de não ter agido a tempo de evitar esse drama. Depois de sua guerra contra o Irã, o Iraque em ruínas solicitou a ajuda de seus vizinhos para reconstruir sua economia. Saddam Hussein pediu ao Kuwait um adiamento de sua dívida, mas o pequeno emirado apoiado pelos Estados Unidos se recusou, curiosamente, a qualquer negociação. O Kuwait, aliás, aumentou subitamente sua produção de petróleo e fez baixar o preço, sabotando a recuperação da economia iraquiana. Saddam Hussein acreditou-se vítima de um complô destinado a arruinar seu país. Segundo o ex-embaixador francês Eric Rouleau, especialista em Oriente Próximo, “para Saddam Hussein, isso se tornou uma questão de vida ou de morte. Como suas ameaças não levaram a nada, ele mandou suas tropas para a fronteira kuwaitiana”. Quando os satélites espiões americanos notaram o movimento dos blindados iraquianos, conselheiros do governo americano sugeriram à Casa Branca que mande uma mensagem de advertência forte e clara ao presidente iraquiano.6. George Bush considerava Saddam Hussein, antes de tudo, um importante parceiro comercial. Ele preferir acreditar em outros conselheiros, que acreditavam num blefe. Nunca houve advertência americana. Muito pelo contrário. Oito dias antes da invasão do Kuwait, Saddam Hussein convocou em Bagdá a embaixadora americana April Glaspie. Informou-a de que a atitude do Kuwait equivalia a uma declaração de guerra7. April Glaspie respondeu-lhe que os Estados Unidos “não tomariam posição alguma em relação a um conflito de fronteiras entre o Iraque e o Kuwait”. Despedindo-se do ditador, a embaixadora anunciou-lhe que saía de férias. Dois dias mais tarde, as declarações de April Glaspie foram repetidas publicamente em Washington por seu superior, o secretário de Estado adjunto John Kelly. À pergunta sobre o que faria seu país se o Iraque atacasse o Kuwait, o americano respondeu o seguinte: “Nós não temos tratados de defesa com nenhum país do Golfo”. Algumas semanas depois, um parlamentar, Tom Lantos, pronunciou um discurso extremamente crítico e devastador sobre a política americana: “A atitude obsequiosa para com Saddam Hussein, expressa pelo mais alto nível do governo americano, encorajou-o a entrar no Kuwait. De modo algum podemos fugir dessa responsabilidade”. As reais razões da guerra Se Saddam Hussein dominasse as reservas de energia do Golfo Pérsico, isso afetaria negativamente a economia dos Estados Unidos Depois da invasão, ficou evidente que os Estados Unidos iriam usar de força. Alto dirigente do Partido Baath, Abdel Majid Rafai, relatou-nos que Saddam Hussein informou seu partido, desde o quinquagésimo dia da invasão, que havia preparativos em curso para uma retirada do Kwait. Entretanto, todas as tentativas de negociação iriam chegar a um impasse, tanto por causa das táticas erradas de Saddam Hussein quanto devido à atitude inflexível dos negociadores americanos. Como fez notar o ex-embaixador americano na Arábia Saudita, Jim Atkins: “Uma vez que George Bush começou a mobilizar suas tropas, ficou excluído que ele e seus conselheiros deixassem o ditador iraquiano escapar. Sua ambição naquele momento era então ganhar uma guerra rápida e triunfal”.8”. Quanto às verdadeiras razões dessa guerra, foram lembradas recentemente por James Baker, então secretário de Estado americano: “A política que consiste em garantir um acesso seguro às reservas de energia do Golfo Pérsico foi adotada porque, sem esse acesso, pelo menos na época, a economia americana teria sido afetada negativamente. Isso significaria que as pessoas perderiam seus empregos e quando a gente perde o emprego, torna-se descontente e você perde seus apoios políticos. Era este o problema. É uma das razões pelas quais fizemos a guerra do Golfo. Ainda que muitos tenham caído sobre nossas declarações para dizer: ‘Ah! Está bem, vocês não fazem guerra para defender princípios, porque Saddam Hussein é malvado, porque ele agrediu sem razão um vizinho pequeno ou porque ele desenvolve armas de destruição maciça.’ Mas havia uma outra razão pela qual nós fizemos aquela guerra: se deixássemos Saddam Hussein dominar as reservas de energia do Golfo Pérsico, isso afetaria negativamente a economia dos Estados Unidos. Isso também é verdade para a guerra de agora [contra o Iraque]9”. Carnificina dos xiitas Os Estados Unidos e seus aliados foram cúmplices do massacre aos xiitas, que se produziu literalmente diante de seus olhos Em 1991, em seguida à operação Tempestade do Deserto, Saddam Hussein esmagou uma insurreição dos xiitas ao preço de dezenas, até centenas de milhares de vítimas. É, em termos de vidas humanas, o crime maior de que o acusam. É também o crime que George Bush cita com mais frequência para lembrar a crueldade do ditador. Na realidade, na operação Tempestade do Deserto, os Estados Unidos e seus aliados foram cúmplices dessa carnificina, que se produziu literalmente diante de seus olhos. Foi George Bush pai que conclamou os iraquianos a esse levante, desde 15 de fevereiro de 1991: “O exército iraquiano e o povo iraquiano devem tomar seu destino nas mãos e forçar Saddam Hussein, esse ditador, a se retirar”. Para evitar qualquer equívoco, fez repetir sua mensagem, transmitida através de todo o Iraque pela rádio Voz da América, por várias estações clandestinas da CIA e ainda a reforçou com panfletos que a aviação americana soltou. Pensando que o regime estava à beira da ruína depois da derrota no Kuwait, a população xiita se insurgiu. A revolta incendiou-se como fogo em palha e arrastou também soldados do exército de Saddam. Enquanto isso, ao Norte, os curdos se levantavam. Nesse momento, uma tragédia se gestava. Antes de mais nada, o presidente George Bush deu a ordem prematura de pôr fim às hostilidades no Kuwait, o que permitiu à maior parte das unidades de elite iraquianas escapar à destruição. Em seguida, quando o general Norman Schwartzkopf ditou os termos do acordo de paz aos generais vencidos de Saddam, permitiu-lhes continuar a utilizar seus helicópteros de combate. Os generais iraquianos então fingem que precisam deles apenas para o transporte dos víveres e dos oficiais. Na realidade, os generais utilizam os helicópteros para esmagar o levante. Conivência com o massacre De fato, o presidente Bush e seus conselheiros não queriam que o levante xiita fosse vitorioso Qual foi a reação dos Estados Unidos e de seus aliados, inclusive dos franceses, diante do massacre dos insurgentes ? Cruzaram os braços. Recusaram-se até a encontrar-se com os chefes da revolta, que suplicavam-lhes ajuda. De fato, o presidente Bush e seus conselheiros não queriam que o levante fosse vitorioso. Eles esperavam que a derrota militar de Saddam Hussein convencesse seus generais vencidos a expulsá-lo e instalar em seu lugar um outro homem forte, mais “razoável” e mais maleável à influência ocidental. Eles nunca imaginaram que seu apelo à revolta fosse atendido de modo tão explosivo. A última coisa que eles queriam era um levante popular não controlado, dividindo o país segundo linhas étnicas e religiosas, espalhando a instabilidade pela região e aumentando a influência do Irã. Enquanto a revolta ainda ardia, o chefe da diplomacia americana, James Baker, explicava: “Não está em nossos planos hoje apoiar ou dar armas a esses grupelhos que se levantaram contra o governo estabelecido. Nós não queremos ver formar-se um vazio político no Iraque. Nós queremos ver preservada sua integridade territorial. E isso é o que pensam também os partidários da coalizão”. Hoje, Roland Dumas admite: “Saddam dominava os iraquianos com métodos extremamente brutal, que nós não tolerávamos, mas era, como se diria, a realpolitik”. E o chefe do Estado-maior francês na época, Maurice Schmidt, também confidencia: “Naquele momento, nós preferíamos um tirano a um poder dos religiosos”. Os aliados então deixaram os helicópteros e blindados de Saddam Hussein dizimar os rebeldes. Nós encontramos em Bagdá sobreviventes desse massacre. Eles contaram que tropas americanas estacionadas no sul do Iraque recusaram-se a deixar-lhes armas e víveres. Essa acusação é confirmada por um veterano das Forças Especiais americanas, Rocky Gonzales, presente no sul do Iraque em março de 1991: “Os insurgentes chegavam em nosso perímetro com queimaduras químicas no rosto e nos lugares onde a pele tinha sido exposta. (...) Nós tínhamos ordem de recusar qualquer pedido de ajuda, fosse militar ou outra. Assim, não podíamos fazer nada. Eu dizia a eles: o presidente Bush disse que a guerra acabou”. Os americanos não foram somente espectadores. Em certos casos, ajudaram as tropas iraquianas a esmagar o levante. Sobreviventes da insurreição contam foram impedidos por tropas americanas de subir até Bagdá para derrubar Saddam Hussein. Um deles, e não é o único, afirma: “Um dos soldados americanos ameaçou matar-nos se não fizéssemos meia-volta”. Todos esses testemunhos são confirmados pelo general Najib Al Salhi, encarregado por Saddam Hussein de reprimir a insurreição na região de Bassra: “Em suas barreiras, os americanos desarmavam os insurgentes que queriam atacar-nos. Eu até os vi, em Safwan, impedir os insurgentes de chegar às nossas linhas”. Os americanos destruíram também grandes estoques de armas do exército iraquiano em derrocada. “Se nós tivéssemos podido apoderarmo-nos dessas armas, o curso da história teria mudado em favor do nosso levante”, confidencia um dos insurgentes, “pois Saddam, naquele momento, não tinha mais nada”. Embargo mortal O massacre mais mortífero jamais cometido no Iraque não foi obra de Saddam Hussein, mas do Conselho de Segurança das Nações Unidas: as sanções impostas ao Iraque depois da invasão do Kwait. Proibindo o comércio com aquele país, essas sanções teriam provocado em doze anos a morte de 500 mil a 1 milhão de crianças, segundo números das Nações Unidas. Coordenador humanitário da ONU no Iraque, o irlandês Denis Halliday demitiu-se em 1998 para não ter que continuar a aplicar o programa de sanções, que ele qualificou de “genocídio”10. Ele afirma que o comitê de sanções das Nações Unidas arruinou o sistema iraquiano de saúde, impedindo-o de importar equipamentos de higiene, saneamento e medicamentos vitais, sempre com a mesma justificativa: esses produtos poderiam, de uma maneira ou de outra, servir para fabricar armas de destruição em massa. O massacre mais mortífero não foi obra de Saddam Hussein, mas do Conselho de Segurança das ONU: as sanções impostas ao Iraque Em 1990, o objetivo das sanções era simples: forçar o Iraque a se retirar do Kuwait. A tática fracassou e a guerra aconteceu. As sanções poderiam ter sido suspensas, mas as Nações Unidas decidiram mantê-las, atribuindo-lhes um novo objetivo: pressionar o ditador para que ele abandonasse suas armas de destruição em massa. As medidas atingiram principalmente os habitantes, a começar pelas crianças. Em 1995, uma jornalista americana perguntou à embaixadora americana nas Nações Unidas, Madeleine Albright, se a manutenção das sanções valia o preço da morte de 500 mil crianças iraquianas. A resposta foi edificante: “É uma escolha muito difícil, mas achamos esse preço vale a pena, sim”. Com o passar dos anos, ficou evidente que o verdadeiro alvo das sanções não era o armamento iraquiano, mas o próprio ditador11. Como explica Denis Halliday, o raciocínio era o seguinte: “Se você ferir o povo iraquiano e matar seus filhos, ele vai levantar-se encolerizado para derrubar o tirano”. Durante doze anos, os Estados Unidos tentaram fazer funcionar essa teoria. Em 1991, seus aviões de guerra haviam bombardeado sistematicamente a rede de água, os esgotos, estações de filtragem, assim como as centrais elétricas. Ao longo de toda a década seguinte, os iraquianos tiveram que viver sem água potável. “Epidemias de tifo, todos os tipos de doenças veiculadas pela água não-potável apareceram de maneira fulminante e isso foi devastador”, relata Halliday. Agindo assim, os americanos sabiam que iriam provocar milhares de mortes? Um documento secreto do Pentágono, datado de 1991, confirma isso claramente. Esse estudo secreto, friamente intitulado As vulnerabilidades do tratamento da água no Iraque, calculava que a demolição da rede de água iria provocar mortes em massa e epidemias. Durante todos os anos em que se essas doenças se propagaram, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, em Nova York, dirigiam o comitê das sanções. Durante doze anos, os aliados utilizaram o embargo para bloquear a importação de peças que serviriam para consertar a rede de água. “E o povo iraquiano, no fim, em vez de jogar a responsabilidade das sanções em Saddam Hussein, o fez sobre os Estados Unidos e as Nações Unidas, tornados responsáveis pela dor e sofrimentos que essas medidas trouxeram para suas vidas”, concluiu Halliday. Com o passar dos anos, os dirigentes americanos deram-se conta de que sua teoria, do mesmo modo que as sanções, ineficazes, matavam milhares de iraquianos. Apesar disso, continuaram a aplicá-las. Por quê? “Não havia outra solução melhor”, confessa simplesmente o representante americano que defendia as sanções na ONU, Thomas Pickering. As sanções finalmente tiveram fim com a queda de Saddam Hussein, em abril de 2003. Depois disso, mais de um ano se passou. Nem a rede de água, nem o sistema de esgoto, nem a infra-estrutura hospitalar foram reparados. Crianças e jovens iraquianos, doentes e moribundos por causa da ausência de água potável, continuam a encher os serviços do hospital pediátrico de Bagdá e todos os hospitais pelo país. (Trad.: Betty Almeida) 1 - Declarações citadas por Richard Sale, da agência UPI. 2 - Mohamed Sabah, chefe de gabinete do primeiro ministro iraquiano Yahia, antes de morrer, confiou esse documento a um oficial iraquiano, que o escondeu por longos anos, antes de entregá-lo recentemente ao pesquisador iraquiano Abdelkhadi Tamimi. 3 - Subhi Abdelhamid foi ministro do Interior e ministro de Relações Exteriores do governo Nasser, que nove meses mais tarde descartou os baathistas. Estes retomarão o poder pela força em 1968. 4 - Este memorando, redigido em 1984 pelo secretário de estado Alexander Haig e endereçado ao presidente Reagan, deixou de ser secreto em 1992. 5 - O jornalista americano Richard Sale recolheu também a confissão de vários ex-altos funcionários da diplomacia americana, que afirmaram: “Este plano de combate, éramos nós”. 6 - Foi o que nos confidenciou o ex-oficial do Pentágono Pat Lang, testemunha destes acontecimentos. 7 - Estas declarações nos foram relatadas pelo tradutor iraquiano do encontro, Al Zubeidi. 8 - O que nos confirma também Roland Dumas, que declara ter assistido, na noite da invasão do Kuwait, a um diálogo telefônico entre o presidente Bush e François Mitterrand, em que George Bush declara ao francês que os Estados Unidos iam “partir para cima de Saddam ”. Quer dizer, iam fazer guerra, custasse o que custasse, independentemente do que Saddam Hussein decidisse. 9 - Declarações colhidas em junho de 2003 pela jornalista Jihan El-Tahri. 10 - Ler, de Denis Halliday, “Des sanctions qui tuent”, Le Monde Diplomatique, janeiro de 1999. 11 - É o que nos revela hoje o ex-embaixador americano nas Nações Unidas, Thomas Pickering. Acesse: http://diplo.uol.com.br/2004-11,a1024


April 26, 2007

Roadblocks to Peace The Three Nos of Jerusalem

By HENRY SIEGMAN

The Arab League meeting in Cairo yesterday was unprecedented in its overture to Israel, offering to meet Israeli representatives to clarify the peace initiative that the League re-endorsed at its meeting in Riyadh on March 28. The two events underscore the complete reversal of the paradigm that for so long has defined the Israeli-Arab conflict. Since the creation of the state of Israel in 1948 and the effort by armies of several Arab countries to abort its birth, until well past the war of 1967 which left Israel in control of all of Palestine, Israel was seen by much of the world as both victim and peace- seeker. Arab countries were seen as warmongers and rejectionists. The paradigm was reinforced by the Three Nos of Khartoum when, in 1967, Arab countries pledged there would be no peace, no negotiations and no recognition of the Jewish state. This image of the Arab world’s total rejection of Israel persisted into the 1980s, even after it became clear that the prime minister, Golda Meir, had ignored peace initiatives by the Egyptian president Anwar Sadat, for which Israel paid dearly in the October war of 1973. Nor did a change in Arab attitudes to the Jewish state implicit in the Saudi Fahd plan, adopted by the Arab League in 1981, prompt any rethinking of that image in Israel or in the west. Since then ‘‘ particularly in the aftermath of the Oslo accords in 1993 and the MENA Economic Summits hosted by various Arab countries ‘‘ Arab rejection of Israel’s legitimacy has largely dissipated. Well before the Saudi initiative of 2002 senior Arab officials sought to persuade Yasser Arafat, former Palestine Liberation Organisation leader, to accept peace terms offered by Ehud Barak, Israel’s former prime minister, at Camp David in 2000. Then came the Saudi initiative, in which the most conservative of Arab countries and the most conservative of Saudi princes, Crown Prince Abdullah, declared that Saudi Arabia would fully normalise its relations with Israel and welcome its embassy and flag in its capital as soon as Israel ended its conflict with the Palestinians, an offer endorsed by every Arab country. The Israeli response to this tectonic change in Arab psychology and politics was worse than rejection: it was complete indifference, as if this 180-degree turnround in Arab thinking had no meaning for Israel and its future in the region. Ehud Olmert, prime minister, and his government have reflexively rejected every Arab peace offer, whether from Saudi Arabia, Syria, the Arab League or Mahmoud Abbas, the Palestinian president. Ariel Sharon’s and Mr Olmert’s policies these past seven years have shaped a new paradigm in which Israel is the rejectionist party. The Three Nos of Khartoum have been replaced by the Three Nos of Jerusalem: no negotiations with Syria, no acceptance of the Arab initiative and, above all, no peace talks with the Palestinians. Mr Olmert and his associates devote their diplomatic skills to finding ever more tortured pretexts for blocking every opportunity for peacemaking, while posturing as peace-lovers in search of ‘reasonable’ Arabs who qualify as partners for peace. Their goal remains to prevent a peace process that would require them to halt Israel’s expansion of its settlements and its effort to cut off East Jerusalem from its Palestinian hinterland. This deception worked well for a while and perhaps still convinces president George W. Bush and those he relies on to understand the Middle East ‘‘ the folks who gave us the Iraq war ‘‘ but has worn thin with much of the rest of the world, including many Americans. Several US columnists who bought into the old paradigm, or avoided the subject for fear of be-ing labelled anti-Israel, now reject it. Israel has lost the high moral ground. It will not regain it until its citizens elect a government that understands that the price of peace ‘‘ whose outline was agreed to by both sides in the Taba talks after the failed Camp David negotiations ‘‘ is far less than the cost of its current rejectionism. To be sure, the moral high ground does not necessarily provide security. But for a western country ‘‘ located in the heart of the Arab and Islamic world ‘‘ that has been the beneficiary of vastly disproportionate US and western support because it has been seen as a moral avatar, the loss of that high ground could not be more devastating to its long-term security.

Henry Siegman is director of the US/Middle East Project and research professor at the Sir Joseph Hotung Middle East Program at the School of Oriental and African Studies, University of London.

April 27, 2007

Pelosi, Biden and Cluster Bombs Failing to Hold Israel Accountable for War Crimes in Lebanon

By MICHAEL F. BROWN

In late January the State Department delivered a potentially explosive report to House Speaker Nancy Pelosi and Sen. Joe Biden, chairman of the Senate Foreign Relations Committee. The classified report asserts that Israel may have violated the Arms Export Control Act with its use of American-made cluster munitions this past summer in Lebanon. Multiple contacts to both offices indicate neither Biden nor Pelosi has any intention of pursuing the matter. In contrast, a congressional investigation 25 years ago helped persuade President Ronald Reagan to suspend cluster munitions to Israel for six years. This Congress, however, will not call Israel to account for its actions. Cluster munitions are a ghastly creation on two levels. First, these bombs blow apart into hundreds of smaller bomblets, thus spreading death over a wide radius. Second, a terrifying percentage of them fail to explode at least initially. These "duds" then sit on the ground like mines until the curious child or plowing farmer stumbles across them - often with devastating results. As recently as July, the US House of Representatives voted 410-8 for a resolution including recognition of "Israel's longstanding commitment to minimizing civilian loss" and welcoming "Israel's continued efforts to prevent civilian casualties" in Lebanon and elsewhere. The language was an open insult to the hundreds of Lebanese civilians already killed and injured in the previous few days by the Israeli military. Many at the State Department appear uncomfortable addressing Israel's seeming culpability. State Department Spokesman Sean McCormack, normally quite articulate, provided journalists with this circumlocution: "There may likely could have been some violations." Indeed there were. And a bloody mess it is. Amnesty International asserted in late January that in the previous six months, "Thirty people, eight of them de-mining personnel, have been killed, and more than 180 people have been injured, including 20 mine clearers." Amnesty has called on Israel to turn over maps of where these munitions were used as a means to prevent future loss of civilian life. Israel has yet to provide sufficient information. Israeli officials have defended the use of cluster bombs and other attacks by contending that they warned civilians to leave southern Lebanon, as though such warnings gave them carte-blanche to do as they pleased. But what if Hezbollah gave similar blanket warnings to Israelis in the north of Israel? Surely it is madness to suggest that a warning provides the liberty to fire rockets indiscriminately into Israel or to litter Lebanese villages and farmland with hundreds of thousands of deadly bomblets. Do the infirm and impoverished with no way out have no rights? De-mining groups estimate that some 2.6 to 4 million submunitions were fired into Lebanon during the five-week war. Israeli Member of Knesset Ran Cohen stated, "The massive use by the IDF of cluster bombs during the war suggests an absolute loss of control and hysteria." It's a loss of control with munitions mostly produced in the United States. We already know from the Israeli press that the Israeli military did not use the cluster munitions in keeping with the orders of then-Chief of Staff Dan Halutz. "I don't know if this is surprising," said Halutz, "it is more disappointing." In fact, it is more than disappointing. It is criminal and a violation of US law. Yet there is a real danger nothing will come of the State Department's report. Pelosi and Biden may not push hard because they dare not aggravate AIPAC. Silence, however, will harm American standing in the region, damage American commitment to human rights principles, and undercut (once again) American national security interests. Congress ought to grapple seriously with this issue rather than suppress the unpleasant facts about Israel's war crimes in Lebanon. The failure to hold Israel accountable for its actions against Palestinian civilians (and, for that matter, American civilians) in the occupied Palestinian territories undoubtedly contributed to a climate in which many Israeli military leaders thought they could pummel Lebanese civilians with American-made weapons with no repercussions. So far American officials are proving them right. Sen. Dianne Feinstein, while not addressing the possible AECA violation by Israel, introduced legislation earlier this year to "limit the use, sale, and transfer of cluster munitions." She cited heart-rending examples from around the world of the harm these weapons cause to civilians, including to "Hassan Hammade, a 13 year old Lebanese boy, [who] lost four fingers and sustained injuries to his stomach and shoulder after he picked up an unexploded cluster bomb in front of an orange tree." Her legislation would do much to limit future harm to children such as Hassan in Lebanon and other innocent civilians in war-ravaged nations. She and co-sponsors Patrick Leahy, Barbara Mikulski, and Bernard Sanders ought to be commended for this legislative initiative. So, too, should Representatives James McGovern, Darrell Issa, and Betty McCollum for their accompanying legislation in the House. Pelosi and Biden have shrunk from holding Israel accountable for its actions in Lebanon, but could exhibit some overdue leadership by signaling their support for the new cluster bomb legislation.

Michael F. Brown is a fellow at the Palestine Center. His views are his own and do not necessarily reflect those of the Center.

Voltar ao início desta página

WATCH THIS VIDEO

http://www.youtube.com/watch?v=PeZPGhVKXqs

VEJA ESTE VÍDEO

Voltar ao início desta página

IR À PÁGINA PRINCIPAL

A PUBLICIDADE A SEGUIR É EXCLUSIVAMENTE PARA FINS COMERCIAIS E NÃO TEM NENHUMA RELAÇÃO COM O CONTEÚDO DESTA PÁGINA.

CURTA HAMZO Informática no Facebook

 

       

Caso alguma imagem ou link não esteja consistente, favor avisar tanios@hamzo.com.br

 Envie mensagem a tanios@hamzo.com.br com perguntas ou comentários sobre este site da Web.

 Veja as estatísticas de visitação deste site em http://www.hamzo.com.br/awstats/awstats.pl

Site Hospedado por GalaxyHost

 Copyright © 2012 Hill. Última modificação: 27 setembro, 2014

 As marcas e logotipos aqui apresentados são de propriedade dos seus respectivos detentores.
 O Portal Hamzo não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado pelos seus associados.